Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Apesar de superpovoada, Faixa de Gaza desafia previsões e evita surto de coronavírus

Áudio 05:13
Grafite do coronavírus em muro na Faixa de Gaza.
Grafite do coronavírus em muro na Faixa de Gaza. AFP
Por: Daniela Kresch

A Faixa de Gaza, considerada um dos territórios mais vulneráveis e superpovados do planeta, não registra oficialmente uma crise sanitária decorrente do coronavírus. A situação é relativamente boa também na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental. 

Publicidade

O surto, que começou em fevereiro deste ano, levou toda a região da Terra Santa a tomar medidas de prevenção rigorosas. Os palestinos foram rápidos e, apesar da rivalidade com Israel, os dois lados colaboraram e adotaram providências similares.

Desde o começo do surto, foram confirmados 547 casos de Covid-19 na Cisjordânia, em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza, com população estimada de cerca de 6 milhões de pessoas. Houve apenas quatro mortes, no total, duas na Cisjordânia e duas em Jerusalém Oriental.

Em Gaza, particularmente, não foi registrada uma morte sequer em decorrência do coronavírus e há apenas 20 casos diagnosticados. Isso apesar dos temores, há dois ou três meses, de que o território superpopuloso e isolado pudesse experimentar um surto severo do vírus, que poderia se espalhar como fogo em palha entre as estreitas ruelas lotadas de gente.

Temia-se que o já vulnerável sistema de saúde da região não pudesse socorrer uma grande quantidade de doentes. Mas isso não aconteceu, pelo menos até agora.

No caso específico de Gaza, todos os que entraram no território a partir de meados de fevereiro foram colocados em quarentena por duas semanas em centros de isolamentos do governo. Isso foi fundamental para evitar o contágio.

Fora isso, os dirigentes do grupo islâmico Hamas, que controlam Gaza com mão de ferro, limitaram severamente o movimento dos quase dois milhões de moradores do território, fechando mesquitas, bares e restaurantes e proibindo aglomerações. Só nos últimos dias é que o Hamas decidiu relaxar um pouco as regras, devido aos bons resultados.

O Hamas garante que não há subnotificação e que realmente conseguiram conter o vírus. Mas o que mais pode ter ajudado em tudo isso foi o que os palestinos mais reclamam: o isolamento da Faixa de Gaza por causa bloqueio de suas fronteiras por Israel e pelo Egito. Poucos moradores viajam para o exterior, e o território recebe pouquíssimos visitantes. Nesse caso, esse isolamento acabou protegendo a população do enclave.

Também na Cisjordânia, os palestinos tomaram medidas semelhantes às de Israel. Quando os primeiros casos apareceram, no começo de março – depois que alguns turistas gregos foram diagnosticados em Belém –, as autoridades palestinas fecharam rapidamente as fronteiras com Israel e com a Jordânia e determinaram medidas de isolamento social.

Até a Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, terceiro local mais sagrado para os muçulmanos, foi fechada para fiéis pela primeira vez na história. A população recebeu instruções claras em entrevistas coletivas diárias do primeiro-ministro Mohammad Shtayyeh e da ministra da Saúde, Mai al-Kaila.

Muitos empresários palestinos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental se comprometeram a não demitir seus empregados, o que aliviou um pouco a pressão econômica pela reabertura da economia. Mas, como em todos os lugares do mundo, os palestinos começam agora a sentir a pressão econômica do fechamento da economia e o próximo desafio é evitar um colapso sócioeconômico.

Israel superou primeira onda

Em Israel, a situação também é relativamente boa. Até esta quarta-feira (13), o país contabiliza 260 mortes entre 16,5 mil casos. Na última semana, houve dias sem óbitos. A quantidade de novos casos já é inferior a 25 contaminações por dia. Tudo isso leva os especialistas a acreditar que o pior já passou e que a primeira onda da epidemia praticamente terminou, na região como um todo.

Em Israel, o surto de Covid-19 começou em 21 de fevereiro e, em 11 de março, antes mesmo da primeira vítima, o governo israelense decretou regras de distanciamento social severas. Os israelenses entraram basicamente em "lockdown": não podiam sair de casa a uma distância de mais de 100 metros – a não ser para supermercados e farmácias (com exceção de trabalhadores essenciais).

O sucesso dessas medidas é ainda mais latente quando se compara Israel com outros países, como no caso da Suécia, um país com número similar de habitantes – cerca de 10 milhões. Ao contrário de quase todos os países europeus, o governo sueco decidiu que a vida continuaria praticamente normal no país e não tomou medidas severas de isolamento, mantendo bares, restaurantes e escolas abertos. O resultado dessa estratégia é que 3,3 mil pessoas morreram até o momento na Suécia – dez vezes mais do que em Israel.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.