Acessar o conteúdo principal

Basílica da Natividade reabre em Belém após dois meses fechada por causa da Covid-19

Visitantes terão que usar uma máscaras de proteção para entrar na Basílica da Natividade, que foi reaberta em Belém.
Visitantes terão que usar uma máscaras de proteção para entrar na Basílica da Natividade, que foi reaberta em Belém. REUTERS - MUSSA ISSA QAWASMA

A Basílica da Natividade, em Belém, reabriu suas portas nesta terça-feira (25), após ter ficado fechada durante dois meses por causa da pandemia de coronavírus. Considerado pela tradição cristã como o local do nascimento de Jesus, o monumento situado no território palestino da Cisjordânia recebeu visitantes já nas primeiras horas do dia. Mas uma série de medidas de prevenção entraram em vigor e devem ser aplicadas.

Publicidade

Um grupo de padres de diferentes correntes cristãs fez uma curta cerimônia no momento da reabertura da Basílica e os primeiros fieis entraram imediatamente no prédio. O local havia sido fechado para o público em 5 de março, quando um foco de contaminação do novo coronavírus foi identificado em Belém.  

“A reabertura da igreja hoje dá ao mundo a esperança de que essa pandemia chegará ao fim”, declarou Rola Maaya, ministra palestina do Turismo e das Antiguidades. “Esperamos que a igreja continue recebendo milhões de fiéis, como antes do confinamento”, completou.

Em uma primeira fase, apenas 50 pessoas serão autorizadas a entrar simultaneamente na basílica e todos os visitantes terão que usar uma máscara de proteção facial. Além disso, segundo um comunicado divulgado pelos administradores do local, a partir de agora está proibido beijar ou tocar as pedras, inclusive na gruta onde Jesus teria nascido, como faziam tradicionalmente os peregrinos durante as visitas.

Turistas gregos teriam importado o vírus

Um grupo de turistas gregos infectados pela Covid-19 visitaram Belém e a basílica da Natividade no início de março. Eles teriam dado início ao foco de contaminação do novo coronavírus na cidade situada nesse território palestino ocupado por Israel. Desde então, as autoridades fecharam o monumento e desinfetaram o local.

O governo palestino agiu rapidamente para impedir a propagação do vírus e, segundo números oficiais, um número pequeno de novos casos foram registrados na região.

Na segunda-feira (25), o governo palestino suspendeu o confinamento de dois meses imposto na Cisjordânia. Em Jerusalém, a igreja do Santo Sepulcro, construída no local onde, segundo a tradição cristã, Jesus foi crucificado e enterrado, também foi parcialmente reaberta.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.