Acessar o conteúdo principal

Queimadas recentes na Austrália mataram ou deslocaram 3 bilhões de animais

Coala é socorrido dos incêndios florestais que devastaram a Austrália durante vários meses, entre 2019 e 2020.
Coala é socorrido dos incêndios florestais que devastaram a Austrália durante vários meses, entre 2019 e 2020. AAP Image/David Mariuz/via REUTERS
Texto por: RFI
2 min

Os gigantescos incêndios florestais sem precedentes que devastaram a Austrália do final de 2019 ao início de 2020 mataram ou deslocaram 3 bilhões de animais. O balanço foi revelado por um estudo publicando nesta terça-feira (28) que confirma que essa foi “uma das piores catástrofes para a fauna da história moderna”.

Publicidade

A vasta pesquisa foi realizada por várias universidades australianas. Ela indica que 143 milhões de mamíferos, 2,46 bilhões de répteis, 180 milhões de aves e 51 milhões de anfíbios foram afetados pelas queimadas. O estudo não contabiliza o número exato de animais mortos. Mas segundo Chris Dickman, um de seus autores, as perspectivas de vida das espécies que escaparam das chamas "não são nada boas" devido à falta de alimentos, abrigo e proteção contra os predadores.

Os incêndios florestais na Austrália são recorrentes. Eles acontecem todos os anos no final do inverno austral na ilha continente, mas em 2019 foram particularmente intensos e duraram vários meses. O fogo destruiu 115.000 km2 de matas — área que representa três vezes a superfície da Holanda — e matou 30 pessoas.

Catástrofe inédita

Um estudo anterior, publicado em janeiro, havia estimado em 1 bilhão o número de animais mortos nas áreas mais devastadas pelas chamas nos estados de Victoria e Nova Gales do Sul, os mais populosos do país. A pesquisa publicada hoje é a primeira a avaliar os danos para a fauna em todas as regiões australianas atingidas pelos incêndios, informa Lily van Eeden, da Universidade de Sydney.

"Segundo nosso conhecimento, é difícil imaginar outros episódios, em outros lugares do mundo, que tenham matado ou deslocado tantos animais" lamentou Dermot O'Gorman, diretor-geral da sucursal australiana da ONG Fundos Mundial para a Natureza (WWF).

As imagens dos coalas, fugindo das chamas, morrendo de sede e com as patas queimadas, emocionaram a opinião pública internacional. Mas uma apuração oficial indicou que o animal, um dos símbolos da Austrália, não foi o único atingido. De acordo com o governo, 100 espécies de animais e plantas endêmicos e ameaçados de extinção perderam mais da metade de seu habitat natural nos incêndios.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.