Acessar o conteúdo principal

Nova Zelândia: maior cidade do país retoma quarentena por causa de uma única família contaminada

A primeira-ministra Jacinda Ardern decidiu confinar novamente Auckland, a cidade mais importante da Nova Zelândia.
A primeira-ministra Jacinda Ardern decidiu confinar novamente Auckland, a cidade mais importante da Nova Zelândia. AP - Mark Baker
Texto por: RFI
3 min

Após mais de cem dias sem nenhum caso de Covid-19, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou nesta terça-feira (11) que Auckland, a maior cidade do país, entrará novamente em regime de quarentena. O confinamento foi decidido após a descoberta de quatro pessoas contaminadas em uma mesma família.

Publicidade

Desde o início da pandemia, os neozelandeses registaram apenas 22 mortes por causa do vírus e o país de cinco milhões de habitantes vinha sendo elogiado por sua gestão da pandemia. Na segunda-feira (10), quando a Nova Zelândia ultrapassou a marca de 100 dias sem novas contaminações, a Organização Mundial da Saúde (OMS) chegou a apontar a nação como um exemplo por ter conseguido "eliminar com êxito a transmissão comunitária".

Por essa razão, o governo não parece disposto a correr nenhum risco. A tal ponto que a notícia de que quatro pessoas de uma mesma família haviam sido contaminadas em Auckland foi suficiente para que a primeira-ministra confinasse novamente a cidade mais importante do país.

“Apesar de termos trabalhado de modo incrivelmente duro para prevenir este cenário, também nos preparamos para isto", afirmou Jacinda Ardern. Ela lembrou durante uma coletiva de imprensa que nenhum país ficou tanto tempo sem registrar novos casos. “E como nós éramos os únicos, precisávamos antecipar”, completou.

A população de Auckland permanecerá confinada por pelo menos três dias a partir de quarta-feira (12). Reuniões de mais de dez pessoas estão novamente proibidas na cidade. Algumas medidas de distanciamento físico serão retomadas no restante do país.

Sem novos casos há mais de três meses, a Nova Zelândia já estava retomando sua vida praticamente normal, sem medidas de distanciamento físico e com a organização de eventos culturais e esportivos com a presença de público. Mas desde o início da pandemia, as autoridades de saúde alertam que uma segunda onda de infecções seria "inevitável".

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.