Maioria das empresas japonesas não quer mais Jogos Olímpicos de Tóquio

Previstos para 2020, Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiados para julho de 2021 por conta da pandemia do coronavírus.
Previstos para 2020, Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiados para julho de 2021 por conta da pandemia do coronavírus. Philip FONG / AFP

Após o adiamento por conta do coronavírus, os Jogos Olímpicos em Tóquio deixaram de ser populares entre os japoneses. Remarcados para 2021, agora nem os agentes econômicos querem que os jogos se realizem.

Publicidade

Farid Achache, da RFI

Em julho, pesquisas de opinião já indicavam que apenas um quarto da população japonesa achava possível realizar os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos no próximo ano. A maioria dos entrevistados (66%), acreditava que o evento esportivo planetário deveria ser adiado ou cancelado.

Nesta sexta-feira (21), uma pesquisa de opinião realizada pelo Tokyo Shoko Research Institute junto ao mercado econômico confirmou a tendência. Das quase 13 mil empresas pesquisadas, entre 28 de julho e 11 de agosto, mais da metade não quer mais os Jogos no Japão (53,6%).

A pesquisa indica ainda que 27,8% das empresas japonesas ouvidas gostariam que os Jogos Olímpicos fossem cancelados imediatamente.

As críticas aos Jogos e os apelos para o cancelamento do evento são cada vez mais comuns no país do sol nascente. No Twitter, o influente escritor Keiichhiro Hirano repete "Chushi" (cancele). Ele considera o custo das Olimpíadas insuportável.

Amanhã vai ser menor ?

O estudo com as empresas japonesas indica ainda que um quarto delas sugere que o evento, remarcado para acontecer entre julho e agosto de 2021, seja novamente adiado.

Há ainda 18,4 % das empresas que preferem uma versão reduzida do evento e outras 5,3 % que acreditam que o melhor seria realizar os Jogos a portas fechadas. Essa opção, no entanto, já foi descartada pelo Comitê Olímpico Internacional e pelo Comitê Organizador.

Os números da pesquisa são reflexo de uma economia fragilizada que agora teme gastos com o evento que não resultem na chegada em massa de turistas para movimentar o mercado japonês.

Após passar abril e maio sob o estado de emergência, o Japão tentou retomar suas atividades econômicas para se recuperar da queda histórica de 7,8 % do PIB no segundo trimestre. No entanto, um novo aumento de casos diários de coronavírus no país desde julho desacelerou a economia.

“Precisamos criar um ambiente em que o público se sinta seguro. Tanto atletas como a família do COI podem ser testados antes e depois de chegar ao Japão”, disse recentemente à BBC o diretor-geral do Comitê Organizador, Toshiro Muto.

O Japão, que pretende receber durante os Jogos visitantes do mundo inteiro, tem adotado medidas de isolamento entre as mais rígidas do mundo. Atualmente, o país proíbe a entrada no território de pessoas provenientes de mais de 140 países.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.