Nobel de Literatura Svetlana Alexievitch é convocada a prestar depoimento em Belarus

A escritora bielorrusa Svetlana Alexievitch, ganhadora do prêmio Nobel de Literatura em 2015.
A escritora bielorrusa Svetlana Alexievitch, ganhadora do prêmio Nobel de Literatura em 2015. AFP PHOTO / DANIEL ROLAND

A escritora e opositora do governo Svetlana Alexievitch, ganhadora do prêmio Nobel de Literatura, foi convocada nesta quarta-feira (26) a prestar depoimento por sua participação no Conselho de Coordenação. O grupo, formado pela oposição a Alexander Lukashenko, pretendia organizar uma transição de poder em Belarus, país governado pelo autocrata desde 1994.

Publicidade

“Agora o regime vai ter que me ouvir“, declarou a romancista Svetlana Alexievich, em 2015, ao receber o prêmio Nobel de Literatura, na Suécia. Cinco anos mais tarde, ela acusa as autoridades bielorrussas de fazerem “uma guerra contra seu povo”.

A convocação é vista como um símbolo do aumento da repressão no país após as massivas manifestações que denunciam fraude nas eleições presidenciais. Desde o início de agosto, o governo já deteve milhares de manifestantes e persegue líderes da oposição, mesmo os mais famosos.

O Comitê de Coordenação, formado pela oposição, é alvo de uma investigação e acusado na Justiça de "ameaça à segurança nacional".

Na segunda-feira (24), dois outros membros deste conselho, Sergei Dilevsky e Olga Kovalkova, foram presos na entrada da fábrica de tratores de Minsk (MTZ), acusados de organizar uma greve que seria ilegal. Na última sexta-feira (21), Olga Kovalkova entrou com uma ação na Suprema Corte de Belarus pedindo a anulação da eleição presidencial.

Entre o documentário e a literatura

Ex-jornalista, Svetlana Alexievich fez sua carreira como escritora na fronteira entre o documentário e a literatura. Por muitos anos, ela escreveu seus livros com base em testemunhos. O primeiro, "A guerra não tem rosto de mulher", é baseado em entrevistas com centenas de mulheres que participaram da Segunda Guerra Mundial.

Por esse livro, ela foi acusada de "destruir a imagem heroica da mulher soviética", embora o então presidente soviético Mikhaeil Gorbachev a tenha defendido. O livro foi publicado em 1985 e imediatamente a tornou famosa na União Soviética e no exterior.

Svetlana Alexievitch também escreveu sobre a guerra no Afeganistão, mas seu trabalho mais conhecido, "Vozes de Tchernóbil: crônica do futuro", é fruto de dez anos de pesquisas sobre o desastre de Tchernóbil e suas consequências. O livro ainda é proibido em Belarus, onde o assunto é tabu.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.