Acessar o conteúdo principal

Israel admite que negocia em segredo com países árabes para normalizar relações

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu no Aeroporto Internacional Ben Gurion, perto de Tel Aviv, Israel.
O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu no Aeroporto Internacional Ben Gurion, perto de Tel Aviv, Israel. REUTERS - POOL
Texto por: RFI
3 min

As autoridades israelenses têm tido discussões secretas com líderes árabes e muçulmanos sobre a normalização das relações com o Estado judeu, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu neste domingo (30), na véspera do "primeiro voo comercial direto" entre Israel e os Emirados Árabes Unidos.

Publicidade

Netanyahu já falou com oficiais do Sudão, Chade e Omã, que estão entre os contatos que foram "divulgados".

Mas "há muito mais reuniões não mediadas com líderes árabes e muçulmanos para normalizar as relações", disse ele em uma coletiva de imprensa em Jerusalém, ao lado de Jared Kushner, conselheiro da Casa Branca e genro do presidente Donald Trump - marido de Ivanka Trump desde 2009 e pai de seus três filhos.

O primeiro-ministro israelense não desvendou quais são os outros países que estariam discutindo uma possível normalização com Israel. O estado judaico busca atualmente estender a outras nações  da região o acordo anunciado em 13 de agosto com os Emirados Árabes Unidos.

“Os avanços de hoje serão os padrões de amanhã. Eles abrirão o caminho para que outros países normalizem suas relações com Israel”, acrescentou Netanyahu.

Protestos contra Netanyahu duram 10 semanas

Ao lado dele, Jared Kushner chamou o acordo com os Emirados de "um salto gigante" para a paz no Oriente Médio  –  mas especialistas são mais céticos quanto às reais possibilidades de avanços pela iniciativa.

Muitos indicam que Netanyahu deseja desviar o foco da intensa contestação que enfrenta no plano doméstico. Neste domingo (30), ele foi alvo hoje de mais um protesto. Dezenas de milhares de manifestantes se reuniram em frente à casa do primeiro-ministro para pedir sua renúncia. É a décima semana consecutiva em que os protestos acontecem.

Demonstrando vontade de avançar nas negociações diplomáticas em alta velocidade, uma delegação israelo-americana deve decolar na manhã desta segunda-feira (31) no "primeiro voo comercial direto" entre Israel e os Emirados, mais precisamente entre Tel Aviv e Abu Dhabi. O chefe do Conselho de Segurança Nacional israelense, Meir Ben-Shabbat, Jared Kushner e o assessor presidencial para a segurança nacional Robert O'Brien devem participar deste voo já considerado "histórico" pelas partes.

Emirados e Israel estão separados geograficamente pela Arábia Saudita, país aliado dos Estados Unidos e próximo dos Emirados, mas com o qual Israel não mantém relações oficiais. Segundo a imprensa israelense, o voo da companhia israelense El-Al deve cruzar o espaço aéreo saudita.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.