Britânico e americanos que descobriram vírus da hepatite C vencem Nobel de Medicina

Os americanos Harvey Alter e Charles Rice e o britânico Michael Houghton ganharam o Prêmio Nobel de Medicina na segunda-feira por sua descoberta do vírus da hepatite C, anunciou o júri em Estocolmo.
   Os três foram premiados por "sua contribuição decisiva para a luta contra esta hepatite, um grande problema de saúde global, que causa cirrose e câncer de fígado", explicou o júri do Nobel.
Os americanos Harvey Alter e Charles Rice e o britânico Michael Houghton ganharam o Prêmio Nobel de Medicina na segunda-feira por sua descoberta do vírus da hepatite C, anunciou o júri em Estocolmo. Os três foram premiados por "sua contribuição decisiva para a luta contra esta hepatite, um grande problema de saúde global, que causa cirrose e câncer de fígado", explicou o júri do Nobel. AP - Claudio Bresciani

Os americanos Harvey Alter e Charles Rice e o britânico Michael Houghton são os vencedores do Prêmio Nobel de Medicina de 2020 pela descoberta do vírus da hepatite C, anunciou nesta segunda-feira o júri do Nobel em Estocolmo. Os três foram escolhidos por "sua contribuição decisiva à luta contra este tipo de hepatite, um grande problema de saúde mundial que provoca cirrose e câncer de fígado", explicou o júri.

Publicidade

Os prêmios Nobel nasceram da vontade do sábio e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896), inventor da dinamite, de legar grande parte de sua fortuna aos que trabalham por "um mundo melhor". Ele é lembrado como o patrono das artes, das ciências e da paz que, antes de morrer, no limiar do século XX, transformou a nitroglicerina em ouro.

Em seu testamento, assinado em Paris em 1895, um ano antes de sua morte em San Remo (Itália), ele designou os diferentes comitês que atribuem os prêmios a cada ano: a Academia Sueca para o de Literatura, o Karolinska Institutet para o de Medicina, a Real Academia Sueca de Ciências para o de Física e o de Química, e um comitê de cinco membros especialmente eleitos pelo Parlamento norueguês para o da Paz.

O prestígio internacional destas recompensas deve muito às somas generosas com as quais estão dotados: 9 milhões de coroas suecas (950.000 euros, 1,1 milhão de dólares), que são divididos entres os premiados, no caso de vários vencedores.

  

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.