Acessar o conteúdo principal

China vai testar nove milhões de pessoas contra Covid-19 na cidade de Qindgao

Cnina realiza testes em massa para evitar propagação do coronavírus
Cnina realiza testes em massa para evitar propagação do coronavírus STR / AFP
Texto por: RFI
3 min

Para lutar contra um novo avanço da epidemia de coronavírus, a China decidiu testar cerca de 9 milhões de pessoas a partir desta segunda-feira (12) na cidade Qindgao, na costa leste do país.

Publicidade

Stéphane Lagarde, correspondente da RFI em Pequim

As autoridades locais decidiram realizar a campanha depois da descoberta de três casos assintomáticos. Neste final de semana, outros 12 pacientes tiveram um diagnóstico positivo em um hospital da cidade.

A China costuma testar massivamente a população quando aparece um novo foco de contaminação no país, explica o correspondente da RFI em Pequim, Stéphane Lagarde, A campanha deve durar três dias e os locais de testes foram construídos perto das casas dos moradores, que podem realizar o exame no horário de sua preferência.

"Isso ajuda a evitar aglomerações", explica uma moradora, que trabalha em uma empresa de exportação e importação em Qingdao. "A cidade não relaxou a vigilância: máscaras e códigos de barra são exigidos nos transportes públicos, restaurantes e centros comerciais", exemplifica.

Foco de propagação surgiu em hospital

Os primeiros casos positivos foram descobertos durante um controle, antes da hospitalização de um paciente para outras patologias, em um hospital especializado em doenças pulmonares. No local, são tratados viajantes contaminados que chegam do exterior.

A professora Wenny, que mora no distrito de Shinan, perto da cidade, diz que não está preocupada com o aparecimento de novos contágios. "Os testes começaram às 8h nesta manhã e acompanhamos as notícias através de um aplicativo. Os usuários da rede Weibo (uma das mais conhecidas da China) exageram. Pessoalmente, sei que milhões de pessoas são testadas. Isso nos tranquiliza, porque as medidas são eficazes e imediatas", diz.

A China afirma que a epidemia está há meses sob controle em seu território, graças à gestão eficaz do rastreamento e isolamento dos doentes, além do uso obrigatório das máscaras. Desde o aparecimento do SARS-Cov-2 em 2019, a pandemia já deixou mais de um milhão de mortos no mundo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.