Acessar o conteúdo principal

Nobel de Economia premia pesquisa de dupla americana sobre "teoria dos leilões"

O Comitê do Prêmio Nobel anunciou nesta manhã os vencedores do Prêmio Nobel de Economia de 2020: são os americanos Paul Milgrom e Robert Wilson, dois especialistas em leilões.
O Comitê do Prêmio Nobel anunciou nesta manhã os vencedores do Prêmio Nobel de Economia de 2020: são os americanos Paul Milgrom e Robert Wilson, dois especialistas em leilões. AP - Anders Wiklund
Texto por: RFI
3 min

O Prêmio Nobel de Economia foi atribuído, nesta segunda-feira (12), aos americanos Paul Milgrom, de 72 anos, e Robert Wilson, 83, dois especialistas na teoria dos leilões. Segundo a Academia sueca, a pesquisa da dupla foi utilizada, em particular, no setor de energia e telecomunicações.

Publicidade

O "Prêmio do Banco da Suécia em Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel" recompensou a obra dos dois economistas, que "melhoraram a teoria dos leilões e inventaram novos formatos de leilões" em "benefício de vendedores, compradores e contribuintes em todo o mundo", disse o júri da Academia de Ciências da Suécia.

A dupla era uma das favoritas ao Prêmio deste ano. Os dois americanos, professores de Stanford, são mais conhecidos pelo conceito de venda de licenças de frequência de telecomunicações nos Estados Unidos. Eles também trabalharam nos mecanismos de alocação de slots de pouso em aeroportos. "Os leilões estão por toda a parte e afetam o nosso dia a dia", ressaltou o júri.

Em 2019, o Prêmio foi atribuído a um trio de pesquisadores especializados no combate à pobreza, os americanos Abhijit Banerjee e Michael Kremer e a franco-americana Esther Duflo, segunda mulher premiada na categoria  e a mais jovem laureada da história do prêmio.

Temporada Nobel 2020

O Prêmio de Economia encerra uma temporada do Nobel, que na sexta-feira (9), recompensou ao Programa Mundial de Alimentos, órgão da ONU para o combate à fome, com o prestigioso prêmio da Paz.

Esta edição 2020 foi marcada por várias laureadas, mas não igualou o recorde de cinco mulheres de 2009. Na quinta-feira (8), a poeta americana Louise Glück venceu o prêmio de Literatura. Além da americana Andrea Ghez, covencedora de Física na terça-feira (6), duas mulheres entraram para a história do Nobel pela descoberta da "tesoura genética": a francesa Emmanuelle Charpentier e a americana Jennifer Doudna se tornaram a primeira dupla 100% feminina a ganhar um Nobel científico, em Química.

Na segunda-feira (5), o britânico Michael Houghton e os norte-americanos Harvey Alter e Charles Rice venceram o Prêmio Nobel de Medicina de 2020 pela descoberta do vírus da hepatite C. Os vencedores, que repartem quase um milhão de euros por cada disciplina, vão receber o prêmio este ano no seu país de residência, devido à pandemia de coronavírus. O número de vencedoras mulheres vem crescendo significativamente desde o início do século 21, mas elas ainda representam ainda apenas uma em cada 20 medalhas do Nobel atribuídas desde 1901.

(Com AFP e Le Monde)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.