Variante britânica do coronavírus acentua medidas restritivas na Europa

L'équipe médicale du Royal Hospital de Londres prend en charge un patient atteint du Covid-19 le 11 janvier 2021.
L'équipe médicale du Royal Hospital de Londres prend en charge un patient atteint du Covid-19 le 11 janvier 2021. AP - Kirsty Wigglesworth
Texto por: RFI
4 min

A Áustria decidiu prolongar o terceiro lockdown vigente no país pelo menos até 8 de fevereiro, devido à variante do coronavírus detectada inicialmente na Grã-Bretanha, e que se espalha pelo país, informou o governo austríaco neste domingo (17).

Publicidade

A partir de 25 de janeiro, em locais públicos, as autoridades austríacas vão exigir um distanciamento de dois metros entre as pessoas, no lugar de um metro como tem sido até agora. O uso de máscaras FFP2 – mais eficientes do que as cirúrgicas simples para evitar as transmissões – será obrigatório no comércio e nos transportes públicos. O governo não planeja reabrir restaurantes, hotéis, academias, teatros e cinemas antes de março.

Na Bélgica, 75 residentes de uma casa de repouso localizada no norte do país foram infectados com a variante britânica da Covid-19. Este número equivale a dois terços dos pensionistas.

Segundo a prefeitura de Houthulst a 131 quilômetros de Bruxelas, um total de 128 pessoas desta cidade de 10.000 habitantes testaram positivo para a mutação do coronavírus. A vacinação dos mais vulneráveis começa esta semana no país.

Segunda dose na Espanha e Itália; Portugal vota

A Espanha e a Itália começaram a administrar neste domingo a segunda dose da vacina contra a Covid-19 para pessoas prioritárias e que já haviam recebido a primeira dose em dezembro.

Em Portugal, milhares de eleitores comparecem às urnas neste domingo para votar antecipadamente para as eleições presidenciais de 24 de janeiro. As autoridades aumentaram o prazo para votação a fim de evitar uma abstenção expressiva dos eleitores em razão da epidemia.

Reino Unido estuda novas medidas drásticas

A partir desta segunda-feira (18), todas as pessoas que desembarcarem no Reino Unido precisarão apresentar de um teste negativo de Covid-19 e terão que manter uma quarentena. As novas medidas restritivas complementam a proibição, anunciada na sexta-feira (15), de voos provenientes da América do Sul e Portugal, devido à nova cepa do coronavírus encontrada na Amazônia brasileira.

O governo britânico estuda ainda a possibilidade de pedir a todos os visitantes que chegarem ao país para se isolar em hotéis. Segundo o jornal The Sunday Times, os gastos com a hospedagem ficariam por conta dos viajantes. Eles também teriam que utilizar o GPS e tecnologias de reconhecimento facial para garantir que respeitam a quarentena. Este tipo de medida já está em vigor em outros países, como Austrália e Nova Zelândia.

França reforça controle de fronteiras

A França é outro país que endurece a partir desta segunda-feira o controle em suas fronteiras, em uma tentativa de conter a propagação da epidemia, principalmente em razão das novas variantes do vírus, descobertas na Inglaterra, na África do Sul e no Brasil.

Um teste PCR negativo de menos de 72 horas será exigido a todos os viajantes vindos de fora da União Europeia. Eles terão em seguida que se isolar durante sete dias e, depois desse prazo, deverão refazer o teste para detectar a Covid-19. O governo francês não informou exatamente de que forma essa quarentena será controlada.

A França ultrapassou a marca macabra de 70 mil mortos pela Covid-19. Cerca de 413 mil pessoas já foram vacinadas contra a infecção viral e, a partir de amanhã, a imunização será ampliada a idosos com mais de 75 anos não residentes em casas de repouso e pessoas portadoras de doenças graves.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.