Rússia e China expandem seu domínio pelo mundo com produção de vacinas contra Covid-19

Frascos da vacina russa Sputnik V, que tem entre 91,4% e 95% de eficácia contra a Covid-19.
Frascos da vacina russa Sputnik V, que tem entre 91,4% e 95% de eficácia contra a Covid-19. Oliver Bunic AFP
Texto por: RFI
7 min

Depois da batalha das máscaras, os governos protagonizam agora a guerra pelas vacinas contra a Covid-19. Moscou e Pequim aproveitam o atraso na produção de imunizantes pelos laboratórios americanos e europeus, a situação de urgência em vários países em desenvolvimento, além da chegada de novas variantes, para expandir sua influência pelo planeta por meio de suas vacinas contra o novo coronavírus.

Publicidade

 

Anissa El Jabri com agências

A vacina russa Sputnik V saiu na frente na corrida para a produção de um imunizante contra a Covid-19. Ao ser anunciada, em agosto de 2020, foi alvo de fortes críticas por parte dos países ocidentais, que alegaram precipitação e falta de transparência da parte de Moscou. Na época, a Rússia não revelou informações científicas sobre seus ensaios clínicos. Alguns meses depois, em dezembro, a Pfizer/BioNTech lançou seu produto como “a primeira vacina contra o coronavírus”, sabendo que a Sputnik V já estava sendo inoculada na Rússia.

Em novembro de 2020, o Centro de Pesquisas Gamaleya de Moscou, apontou que a vacina russa tinha uma eficácia de 91,4% 28 dias após a primeira dose e 95% após 42 dias – um efeito similar ao produto da Pfizer/BioNTech. No entanto, nem países europeus ou os Estados Unidos confiaram na informação, dando preferência aos imunizantes fabricados por laboratórios ocidentais.

O aparecimento de novas variantes do coronavírus – que disparou o número de contaminações e mortes em diversos países –, aliado ao atraso na produção e nas entregas das doses pelos gigantes farmacêuticos, vem mudando o discurso sobre a Sputnik V. Na terça-feira (2), a revista científica The Lancet publicou um estudo realizado por pesquisadores independentes que confirma a eficácia anunciada Centro de Pesquisas Gamaleya. O artigo destaca que o imunizante russo é, de fato, um dos produtos com maior efeito contra as formas sintomáticas da doença.

A constatação deve abrir caminho para que as agências reguladoras de medicamentos dos países desenvolvidos deem seu aval positivo ao fármaco russo. Antecipando-se a uma homologação pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) requisitada por Moscou, a chanceler alemã, Angela Merkel, declarou: “Toda vacina aprovada por esse órgão será bem-vinda na Alemanha”. A líder também ofereceu ajuda do país para uma eventual produção conjunta da Sputnik V.

Nesta quarta-feira (3), o governo espanhol se disse igualmente “aberto” e “entusiasta” com a ideia de utilizar a vacina russa. “A única condição”, segundo a ministra espanhola da Saúde, Carolina Darias, é a aprovação do fármaco pela EMA.

O mesmo posicionamento foi expressado pelo governo francês. Paris está disposta a distribuir o produto na França se “ele corresponder às normas científicas e às exigências europeias”, declarou nesta quarta-feira (3) o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian.

Sucesso científico e econômico

A Rússia exibe, assim, um sucesso no campo científico, mas também no âmbito econômico: o imunizante poderia gerar uma receita de € 25 bilhões ao país. Não por acaso, o Kremlin anunciou nesta quarta-feira que tem o objetivo de aumentar a produção da Sputnik V no exterior “para responder à demanda cada vez maior dos países”.

O fármaco já foi homologado por cerca de 15 nações, incluindo ex-repúblicas soviéticas, como Belarus e Armênia, pelos aliados Venezuela e Irã, além de Argentina, Bolívia, Argélia, Tunísia e Paquistão. Na União Europeia, por enquanto, apenas a Hungria – que recebeu 40 mil doses na terça-feira (2) – autorizou o produto sem esperar o aval da EMA.

Mais do que exportar, Moscou também tem interesse em assinar parcerias para a produção da Sputnik V. Atualmente, o Cazaquistão, a Índia, a Coreia do Sul e o Brasil fabricam o imunizante, mas nem todos o estão utilizando. A Argentina, que aposta alto na Sputnik para proteger a população, já assinalou seu interesse em produzi-la.

O presidente Vladimir Putin vê o avanço científico russo como um sucesso pessoal. Na televisão pública do país, o líder afirmou que o produto desenvolvido na Rússia “funciona com precisão, formando anticorpos e uma imunidade celular estável”. Segundo ele, uma de suas filhas teria, inclusive, sido vacinada com a Sputnik V.

As rotas da seda sanitárias

Apontada como o berço da pandemia de Covid-19, a China foi o primeiro país a enfrentar a doença, a registrar o primeiro óbito e a impor o primeiro lockdown. Foi também a nação que ditou as regras da “diplomacia das máscaras” em meados de 2020, já que domina boa parte da produção mundial do equipamento.

Para Pascal Boniface, diretor do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas da França (IRIS) e autor do livro “Geopolítica da Covid-19” (editora Eyrolles), a pandemia resultou em “rotas da seda sanitárias”. “Os países não avaliam a ‘cor política’ das nações que desenvolvem as vacinas, mas a eficácia e a disponibilidade do imunizante. Como a China o produziu em massa, ela protagoniza um grande avanço”, observa.

Segundo o pesquisador, embora a crise sanitária tenha origem no território chinês, atualmente é Pequim que recolhe os maiores benefícios. “O mundo está em crise e a China ainda está em um período de crescimento econômico. Efetivamente, eles expandiram sua influência por meio de ajuda sanitária e, agora, o fazem com o fornecimento de vacinas”, analisa.

Boniface também destaca que Pequim ofereceu ao Egito e ao Marrocos a possibilidade de implantação de usinas de produção de vacinas. No Oriente Médio, vários países já encomendaram o imunizante da Sinopharm: Iraque, Jordânia, Emirados Árabes Unidos e Bahrein.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan – inimigo declarado da Rússia – também já expressou publicamente sua preferência pelo fármaco chinês. “Há aqueles que confiam na vacina russa, porque eles produziram 'vacinas soviéticas'. Há aqueles que refletem sobre essa questão em termos ideológicos, preferindo o Oeste ao Leste. Eu penso que os chineses conhecem o vírus há mais tempo, então, estou esperando a minha vez. Se eu puder escolher, vou pedir a vacina chinesa”, declarou.

China ou Rússia, a demonstração de força dos dois países mostra, para o diretor do IRIS, uma nova perda de influência do Ocidente no mundo. “A ausência dos Estados Unidos nesta crise sanitária foi cruelmente sentida, mas esse é também o jogo das evoluções tecnológicas e econômicas. Os ocidentais perderam o monopólio do poder que tiveram durante quase cinco séculos. No plano das vacinas, como em outros, é preciso ceder o lugar. Aliás, como podemos ver, a Rússia e a China se convidaram, por conta própria, a se sentar na ‘mesa dos grandes’”, conclui o especialista.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.