Eleições legislativas na Holanda devem dar 4° mandato para Mark Rutte, o "Sr. não" da UE

Cartazes de candidatos que concorrem às 150 cadeiras da Câmara Baixa do Parlamento holandês.
Cartazes de candidatos que concorrem às 150 cadeiras da Câmara Baixa do Parlamento holandês. AP - Peter Dejong

Os holandeses votam nesta quarta-feira (17) no terceiro e último dia das eleições legislativas antecipadas. O pleito foi convocado após a renúncia do governo do primeiro-ministro liberal Mark Rutte, em 15 de janeiro, devido a um escândalo envolvendo o pagamento de auxílios sociais. Trinta e sete partidos disputam as 150 cadeiras do Parlamento holandês, um número recorde em várias décadas.

Publicidade

Para facilitar o deslocamento de idosos e pessoas vulneráveis em plena epidemia do coronavírus, a votação foi ampliada para três dias, em vez de um, Os eleitores também podem depositar seu voto em locais como museus e centros de testagem do vírus em todo o país. 

Após 11 anos no poder, Mark Rutte, 54 anos, espera recuperar a chefia do Executivo para um quarto mandato. Conhecido por seu temperamento avarento, ele é chamado de "Sr. não" na União Europeia por defender uma política de austeridade em relação aos gastos do bloco.

De acordo com pesquisas de intenção de voto, Rutte e seu Partido Popular para a Liberdade e a Democracia (VVD) têm boas chances de vencer a votação. Atualmente, o partido liberal-conservador VVD tem 32 cadeiras no Parlamento e lidera uma coalizão de quatro partidos com o Apelo Democrático Cristão (CDA), a União Cristã (CU) e o D66 de centro-esquerda. Mas uma nova aliança poderá emergir das urnas.

Um novo aliado em potencial para um futuro governo de coalizão liderado por Rutte poderia ser o partido Esquerda Verde GroenLinks, do jovem líder carismático Jesse Klaver. No centro, o partido D66 aposta numa mulher, a poliglota Sigrid Kaag, atual Ministra do Comércio e Cooperação. Ela é diplomada pela Escola Nacional de Administração (ENA) da França, que forma a elite de altos funcionários da administração pública francesa. O único partido que organizou grandes comícios durante a campanha foi o Fórum para a Democracia (FVD), do populista Thierry Baudet.

Solteiro inveterado, Rutte mora no mesmo apartamento que comprou depois de se formar, dirige um carro usado da marca Saab, quando não utiliza sua bicicleta para ir ao trabalho. Tem o hábito de limpar seu gabinete após as reuniões. Além disso, dá aulas de educação cívica em uma escola de ensino fundamental. O liberal conservador renunciou em janeiro, após a publicação dos resultados de uma investigação que demonstrou que a administração holandesa acusou injustamente milhares de famílias de terem fraudado um programa de auxílio social para quem tem crianças. 

Recentemente, a Holanda enfrentou uma série de distúrbios pela adoção de restrições para tentar conter a epidemia de Covid-19. A pandemia dominou o debate durante a campanha, deixando pouco espaço para outras questões, como as políticas eurocéticas e anti-imigração do líder da oposição Geert Wilders. O país de 17 milhões de habitantes registra 1,1 milhão de casos positivos do coronavírus e cerca de 16.100 mortes.

As primeiras projeções de resultados serão publicadas após o fechamento das seções eleitorais previsto às 21h no horário local, 17h em Brasília. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.