Opositores desafiam militares em Mianmar com ovos de Páscoa contra o golpe de Estado

Nas redes sociais e nas ruas de Yangon, os manifestantes pró-democracia exibiam, neste domingo 4 de abril, ovos de Páscoa com mensagens contra a junta militar.
Nas redes sociais e nas ruas de Yangon, os manifestantes pró-democracia exibiam, neste domingo 4 de abril, ovos de Páscoa com mensagens contra a junta militar. AP

Os opositores ao golpe de Estado em Mianmar voltaram a desafiar neste domingo (4) a junta militar que tomou o poder no país. A Páscoa inspirou o protesto. Os manifestantes pró-democracia divulgaram nas redes sociais imagens de ovos de Páscoa decorados com mensagens contra o regime.

Publicidade

Mais de 550 civis, entre eles mulheres e crianças, morreram vítimas da repressão das forças de segurança desde o golpe de Estado de 1º de fevereiro, que depôs o governo civil de Aung San Suu Kyi, segundo a Associação de Ajuda aos Presos Políticos (AAPP).

Outros quatro civis foram mortos a tiros no sábado (3) e um homem de 30 anos foi assassinado, também com arma de fogo, no domingo (4) no norte do estado birmanês de Kachin. A junta assegurou aos meios de comunicação estatais que as forças de segurança estavam "demostrando a máxima contenção".

O número de vítimas da repressão poderia ser muito maior, teme a entidade. Cerca de 2.700 pessoas foram detidas. Muitas delas foram presas na surdina, sem acesso a advogados ou a seus familiares, e estão desaparecidas.

Criatividade

Apesar da violência, a mobilização pró-democracia continua, com dezenas de trabalhadores em greve e setores inteiros da economia paralisados.

Inspirados no domingo de Páscoa, o movimento de desobediência civil publicou nas redes sociais de fotos e saiu às ruas de Yangon exibindo ovos que traziam mensagens como: "Vamos salvar Mianmar", "Queremos democracia" ou "Sai fora, MAH", em uma alusão às iniciais do líder da junta militar Min Aung Hlain.

"A criatividade, a coragem e a valentia do nosso povo são o futuro de Mianmar", tuitou o doutor Sasa, enviado especial na ONU do governo civil deposto.

Em sua tradicional mensagem de Páscoa, o papa Francisco expressou sua "proximidade" com os jovens birmaneses que "estão comprometidos com a democracia, fazendo ouvir sua voz de forma pacífica".

"Jesus ressuscitou: Aleluia, Mianmar ressuscitará", tuitou Charles Bo, o primeiro cardeal de Mianmar, que é um país majoritariamente budista.

Francesa Total fica em Mianmar

Diante da deterioração constante da situação, as ONGs internacionais e locais e alguns políticos na França pediram à petroleira Total, presente em Mianmar desde 1992, que abandonasse o país. Mas o grupo decidiu ficar.

A empresa manterá sua produção de gás, que "fornece eletricidade a uma população numerosa em Yangon", a capital econômica do país, informou neste domingo o diretor-geral da petroleira, Patrick Pouyanné. Ele completou que a Total quer assim evitar expor seus funcionários ao risco de "trabalhos forçados" se for embora.

O grupo francês pagou US$ 230 milhões às autoridades birmanesas, em 2019, e US$ 176 milhões, em 2020, a título de impostos e "direitos de produção", segundo documentos financeiros. Bloquear os pagamentos "exporia os altos funcionários da nossa filial ao risco de serem detidos e presos", afirma Pouyanné em um artigo publicado no semanário francês Le Journal du dimanche. A Total se compromete a entregar às ONGs de direitos humanos a mesma quantidade paga ao Estado birmanês.

Em meados de março, a empresa elétrica francesa EDF suspendeu um projeto de US$ 1,5 bilhão para construir uma hidrelétrica em Mianmar.

Interrupções da Internet 

Até agora, as condenações ocidentais não têm surtido efeito junto aos generais birmaneses.

O acesso à internet continua interrompido para a maioria da população. A junta militar também aperta o cerco a Aung San Suu Kyi, acusada de corrupção e de ter violado uma lei sobre segredos de Estado que data da época colonial. Se for considerada culpada, a ex-dirigente de 75 anos, detida em um local secreto, mas que está "bem de saúde", segundo seus advogados, corre o risco de ser afastada da vida política e de ser condenada a muitos anos de prisão.

Foram emitidas também ordens de prisão contra 40 celebridades: cantores, modelos, influenciadores... Eles são acusadas de ter difundido informações que podem provocar motins nas forças armadas.

Ameaça de guerra civil

A repressão contra civis indignou minorias do país. Dez facções étnicas deram seu apoio no sábado à mobilização pró-democracia e vão reexaminar o cessar-fogo assinado com os militares em 2015.

A poderosa União KNU condenou os ataques aéreos do exército no sudeste de Mianmar que, segundo ela, causaram mais de 12.000 deslocados. A KNU pediu às minorias étnicas birmanesas (mais de 130) a se unirem contra a junta. Outros grupos rebeldes já ameaçaram retomar as armas.

A enviada da ONU para Mianmar, Christine Schraner Burgener, advertiu para um risco "sem precedentes" de "guerra civil".

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.