Em julgamento por corrupção, promotora acusa Netanyahu de uso ilegítimo do poder em Israel

Benjamin Netanyahu cercado por seus advogados em um tribunal em Jerusalém. 05 de abril de 2021.
Benjamin Netanyahu cercado por seus advogados em um tribunal em Jerusalém. 05 de abril de 2021. VIA REUTERS - POOL

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, fez "uso ilegítimo de seu poder", afirmou uma promotora de Justiça, nesta segunda-feira (5). A retomada do julgamento por corrupção de Netanyahu acontece ao mesmo tempo em que começam as consultas pós-eleitorais cruciais para seu futuro político. O primeiro-ministro de 71 anos, 15 deles como chefe de governo, é acusado de corrupção, fraude e abuso de poder em três casos. Ele nega todas as acusações.

Publicidade

Netanyahu fez "uso ilegítimo do grande poder governamental que lhe foi confiado, entre outras coisas para exigir e obter benefícios indevidos dos proprietários dos principais meios de comunicação em Israel com o objetivo de promover assuntos pessoais, inclusive quando aspirou a reeleição", afirmou a promotora Liat Ben-Ari na abertura do julgamento.

Perto do tribunal, grupos de manifestantes que há meses exigem a renúncia de Netanyahu erguiam cartazes que diziam: "mentiroso"e "vigiamos a democracia". Dezenas de apoiadores também se reuniram no local.

O primeiro-ministro compareceu ao tribunal do distrito de Jerusalém para as acusações iniciais da promotora e saiu antes do anúncio da primeira testemunha, Ilan Yehoshua, ex-diretor-geral do site de notícias Walla.

"Estava claro que éramos um site de internet que fazia o que o escritório do primeiro-ministro dizia para fazermos", afirmou Yehoshua aos juízes, acrescentando que recebeu pedidos particulares de publicação de artigos contra os principais rivais de Netanyahu.

Negociações para formar maioria

Na manhã da retomada do julgamento, o presidente de Israel, Reuven Rivlin, pretendia iniciar as negociações de dois dias com líderes dos partidos para formar uma aliança majoritária no parlamento. Estas conversas serão decisivas para o futuro político de Netanyahu.

O Likud, partido de direita do primeiro-ministro, venceu as eleições legislativas de 23 de março, as quartas no país em menos de dois anos, e tem 30 das 120 cadeiras da Knesset.

No entanto, mesmo que acrescente as cadeiras de seus aliados, o partido não consegue alcançar a maioria de 61 deputados, necessária para formar um governo estável. Muitos partidos rivais querem acabar com seus 12 anos consecutivos de mandato.

Mas, sem um líder de consenso entre seus adversários, Netanyahu tem grandes chances de receber o maior número de recomendações, com o apoio dos 16 deputados dos partidos ultraortodoxos Shas e Judaísmo Unido da Torá, além dos seis da aliança de extrema-direita Sionismo Religioso.

Em geral, designa-se o candidato que recebe mais recomendações, que então terá 28 dias para formar o governo - um prazo que o presidente pode prolongar por 14 dias.

Na semana passada, Rivlin insinuou, porém, que os cálculos de cadeiras podem não ser o único fator no momento de tomar uma decisão e que, na quarta-feira, designará um deputado capaz de formar um governo para "curar as divisões e reconstruir a sociedade".

"Coalizões fora do comum"

Não está descartada a possibilidade de formação de "coalizões fora do comum" para retirar Israel da estagnação política, afirmou o presidente.

Como a relação de Netanyahu e Rivlin já teve momentos complicados, o Likud interpretou as declarações como um sinal de apoio tácito ao grupo contra "Bibi", como o primeiro-ministro é chamado por seus simpatizantes.

O partido acusa Rivlin, que foi membro do Likud quando era deputado, de extrapolar suas funções, que são apenas honorárias.

No bloco de oposição ao primeiro-ministro, o partido Yesh Atid, do centrista Yair Lapid, é o que tem mais cadeiras no Parlamento: 17.

Mas formar uma coalizão anti-Netanyahu exige uma aliança bastante improvável entre Yair Lapid, Gideon Saar, ex-ministro conservador de Netanyahu, Naftali Bennett, líder da direita radical e ex-aliado do primeiro-ministro, e outros partidos do centro e da esquerda.

E, para compor um governo, os dois lados precisam do apoio do partido islamita Raam, de Mansur Abbas, que foi a grande surpresa eleitoral ao conquistar quadro cadeiras na Knesset. Ele se declara aberto a negociar com as duas partes.

O partido Sionismo Religioso advertiu que não integrará um governo ao lado do Raam.

Novas eleições?

Se nenhum lado conseguir formar uma coalizão, o país pode ser obrigado a convocar novas eleições, o que prolongaria a crise.

O julgamento de Netanyahu não ameaça suas aspirações a curto prazo. Ele seria obrigado a renunciar apenas em caso de uma condenação confirmada e depois de esgotar todos os recursos, o que poderia levar anos.

O processo entrou, porém, em uma fase mais intensa nesta segunda-feira (5), com a apresentação de provas.

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.