Pronto para revidar, Israel quer intensificar os ataques ao Hamas em Gaza

Bombeiros israelenses extinguem o fogo em um carro que explodiu depois que um foguete foi lançado da Faixa de Gaza em Ashkelon, sul de Israel, em 11 de maio de 2021.
Bombeiros israelenses extinguem o fogo em um carro que explodiu depois que um foguete foi lançado da Faixa de Gaza em Ashkelon, sul de Israel, em 11 de maio de 2021. REUTERS - NIR ELIAS

Bombardeando com disparos de foguetes, Israel e o Hamas revidam golpe por golpe desde segunda-feira (10). Os ataques aéreos do exército israelense deixaram 28 mortos, incluindo 10 crianças em Gaza, e cerca de 125 feridos. Nesta terça-feira (11), duas mulheres israelenses foram mortas em Ashkelon (sul), por foguetes. O conflito agora pode ganhar uma nova dimensão.

Publicidade

As sirenes continuaram a soar na tarde de terça-feira nas comunidades israelenses adjacentes a Gaza. Uma explosão de foguete atingiu dois prédios na cidade de Ashkelon, uma cidade costeira a cerca de 15 quilômetros ao norte de Gaza. Várias casas foram incendiadas.

“Duas mulheres morreram. Uma tinha 65 anos, a outra 40 anos. Ainda não podemos anunciar sua identidade ”, disse um porta-voz do Magen David Adom, o equivalente israelense da Cruz Vermelha. Segundo a mesma fonte, as duas mulheres não estavam no mesmo local na cidade quando morreram.

Desde a noite de segunda-feira, os movimentos islâmicos armados do Hamas e da Jihad Islâmica intensificaram os ataques com foguetes contra Israel. Como resultado dos ataques, mais de 70 israelenses estão sendo tratados no Hospital Barzilai, localizado em Ashkelon, segundo os mesmos serviços de emergência.

137 foguetes em "cinco minutos"

O Hamas disse que lançou 137 foguetes em “cinco minutos” nesta terça-feira à tarde em Ashkelon e na cidade vizinha de Ashdod. Ataques simultâneos com o objetivo de atravessar o escudo anti-mísseis Iron Dome de Israel.

O braço armado do Hamas prometeu fazer de Ashkelon um "inferno" se os ataques israelenses resultarem em vítimas civis em Gaza.

O Hamas já havia ameaçado o estado hebraico na tarde de segunda-feira com uma nova escalada militar se suas forças não se retirassem da praça das mesquitas em Jerusalém Oriental, onde confrontos diários entre palestinos e a polícia israelense resultaram em centenas de feridos desde sexta-feira.

Netanyahu quer intensificar os ataques a Gaza

Desde segunda-feira, uma chuva de fogo do exército israelense na Faixa de Gaza ceifou a vida de pelo menos 28 palestinos. Na terça-feira, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu alertou que Israel intensificaria seus ataques ao Hamas.

"Desde ontem (segunda-feira), o exército realizou centenas de ataques contra o Hamas e a Jihad Islâmica em Gaza (...) E vamos intensificar ainda mais o poder de nossos ataques", disse Benjamin Netanyahu em vídeo transmitido por seus serviços, acrescentando que o Hamas "iria levar uma surra que não esperava".

Um prédio de dez andares localizado no centro da Cidade de Gaza, onde funcionários do Hamas tinham seus escritórios, também foi completamente destruído na noite de terça-feira por um ataque israelense. O prédio de apartamentos, localizado próximo à orla marítima, desabou após ser alvo de um ataque aéreo.

(Com AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.