Naftali Bennett é o novo premiê de Israel; Netanyahu deixa o cargo após 12 anos no poder

Ex-empresário e filho de imigrantes americanos, Naftali Bennett se torna, aos 49 anos, o novo primeiro-ministro israelense.
Ex-empresário e filho de imigrantes americanos, Naftali Bennett se torna, aos 49 anos, o novo primeiro-ministro israelense. YONATAN SINDEL POOL/AFP

O Parlamento israelense validou neste domingo (13) o novo governo de coalizão. O voto de confiança era a última etapa do processo de transição política que coloca um ponto final na era Benjamin Netanyahu. O atual premiê, no poder há 12 anos, será substituído pelo ultranacionalista Naftali Bennett.

Publicidade

Dos 119 deputados presentes, 60 votaram a favor da nova coalizão, que reúne políticos da direita e da esquerda e conta com o apoio de um partido árabe, algo inédito no país. Os demais parlamentares, principalmente de extrema direita ou ultra ortodoxos, mas também do partido Likud de Netanyahu, votaram contra.

O líder da direita radical, Naftali Bennett, assumirá o governo nos primeiros 18 meses. Em seguida, o centrista Yair Lapid, ex-estrela da televisão israelense, passa a dirigir o país.

Bennett lidera o partido Yamina, que defende o ultraliberalismo econômico, a linha-dura contra o Irã e a anexação de quase dois terços da Cisjordânia ocupada, o que deu a seu partido de direita radical muita popularidade entre os colonos judeus.

O ex-empresário de 49 anos fez fortuna no setor da tecnologia e entrou na política relativamente tarde. Mas desde 2013, este militante do "nacionalismo religioso" ocupou cinco pastas ministeriais.

Filho de imigrantes americanos, o novo premiê se estabeleceu no início dos anos 2000 como um dos queridinhos da "nação start-up", graças à sua empresa de segurança cibernética Cyotta, vendida por US$ 145 milhões em 2005, antes de dar o salto para a política no Likud de Netanyahu no ano seguinte. Dois anos depois, Bennett deixou o Likud para liderar o Conselho de Yesha, o principal grupo de defesa de milhares de colonos israelenses na Cisjordânia ocupada.    

Em 2012, ele chocou todo o cenário político israelense ao assumir o controle da formação de extrema direita "Lar Judaico". 

Netanyahu diz que segue na política 

Benjamin Netanyahu afirmou neste domingo perante o Parlamento israelense (Knesset) que continuará na política, como opositor. "Se o nosso destino é estar na oposição, faremos isso de cabeça erguida, derrubaremos esse mau governo e voltaremos a liderar o país a nossa maneira (...) Voltaremos logo!", garantiu, pouco antes do voto.

O partido de direita Likud de Netanyahu prometeu uma "transferência pacífica de poder", após mais de dois anos de crise política marcados por quatro votações que resultaram na incapacidade de formar um governo ou em um governo de unidade de curta duração.

Há mais de um ano enfrentando um julgamento por corrupção, Netanyahu, de 71 anos, foi novamente alvo de protestos na noite de sábado (12).

Biden foi um dos primeiros a reagir

Milhares de pessoas comemoraram a saída de Netanyahu do poder logo após a confirmação do voto. Uma multidão exultante invadiu a Praça Rabin, no centro de Tel Aviv, para celebrar a mudança de governo. 

Do lado da comunidade internacional, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, foi um dos primeiros a saudar o novo premiê. "Parabenizo o primeiro-ministro Naftali Bennett, o vice-primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores Yair Lapid, e todos os membros do novo gabinete israelense", disse Biden em um comunicado.

"Estou ansioso para trabalhar com o primeiro-ministro Bennett para fortalecer todos os aspectos da estreita e duradoura relação entre nossas duas nações. Israel não tem um melhor amigo do que os Estados Unidos", concluiu o chefe da Casa Branca.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.