Efeitos dramáticos do aquecimento global serão realidade antes que uma criança nascida hoje complete 30 anos, diz IPCC

Cidade de Porto- Príncipe depois da passagem da tempestade Laura em  23 de agosto de 2020.
Cidade de Porto- Príncipe depois da passagem da tempestade Laura em 23 de agosto de 2020. REUTERS/Andres Martinez

O Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) traz nova advertência para o planeta. Segundo o esboço de um relatório histórico do grupo de climatologistas da ONU, as mudanças climáticas irão modificar profundamente a vida na Terra nas próximas décadas, mesmo se a humanidade conseguir conter as emissões de gases estufa que esquentam o planeta.

Publicidade

Extinção de espécies, uma disseminação maior de doenças, calor insustentável à vida, colapso dos ecossistemas, cidades ameaçadas pelo aumento do nível do mar - estes e outros impactos climáticos devastadores estão se acelerando e devem se tornar dramaticamente reais antes de que uma criança nascida hoje complete 30 anos.

"As escolhas que as sociedades fazem hoje irão determinar se nossa espécie conseguirá prosperar ou apenas sobreviver ao longo do século 21", adverte o IPCC. Alguns limiares perigosos estão mais perto do que se pensava e consequências extremas, resultantes de décadas de emissões desenfreadas de carbono, são inevitáveis no curto prazo. "O pior ainda está por vir e afetará as vidas dos nossos filhos e netos muito mais do que as nossas", diz o relatório.

O documento de 4.000 páginas é uma espécie de catálogo da interferência nociva do homem na integridade do planeta. Elaborado pelos cientistas para influenciar decisões políticas críticas, o relatório só deve ser publicado em 2022, o que é considerado tarde demais para as decisivas conferências da ONU deste ano sobre o clima, a biodiversidade e os sistemas alimentares, afirmam alguns especialistas. 

Transformando aliados em inimigos   

O esboço do relatório vem a público no momento em que uma parte da população mundial desperta para a ecologia e serve como um choque de realidade, diante das promessas excessivamente imprecisas de zerar as emissões de carbono feitas por governos e corporações. Os desafios que ele destaca são sistêmicos e interconectados às rotinas do dia a dia das pessoas.   

O IPCC diz que os efeitos do aquecimento global são profundamente injustos: os menos responsáveis pelo fenômeno climático sofrerão de maneira desproporcional. De acordo com os cientistas, mesmo despejando quantidades recordes de gases de efeito estufa na atmosfera, nós estamos minando a capacidade das florestas e dos oceanos de absorvê-los, transformando nossos maiores aliados naturais no combate ao aquecimento global em inimigos.  

O relatório alerta que os grandes impactos climáticos anteriores alteraram o meio ambiente por milhões de anos, extinguindo a maioria das espécies, trazendo o questionamento sobre se a humanidade estaria plantando as sementes de sua própria extinção.

"A vida na Terra pode se recuperar de uma drástica mudança climática evoluindo para novas espécies e criando novos ecossistemas", destaca. "Os seres humanos não podem", recorda o texto.

'Consequências irreversíveis'   

Há pelo menos quatro lições principais no esboço do relatório, submetido a uma ampla revisão. Porém, é improvável que seja alterado antes de sua publicação.

A primeira é que com um aquecimento de 1,1 grau Celsius em curso o clima já está mudando. Uma década atrás, os cientistas acreditavam que limitar o aquecimento global em 2 graus Celsius, com base nos níveis de meados do século 19, seria suficiente para salvaguardar o nosso futuro. A meta é contemplada no Acordo de Paris, de 2015, adotado por cerca de 200 países que fizeram a promessa de conter o aquecimento "muito abaixo" de 2ºC ou 1,5ºC, se possível. Na tendência atual, o mundo caminha para um aquecimento de 3ºC na melhor das hipóteses.

Modelos anteriores previram que provavelmente nós não veríamos uma mudança climática suficiente para alterar a Terra antes de 2100. Mas no esboço de seu relatório, o IPCC diz que um aquecimento prolongado acima de 1,5ºC terá "consequências progressivamente sérias, com duração de séculos e, em alguns casos, irreversíveis".

No mês passado, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) projetou uma probabilidade 40% maior de a Terra superar o limiar de 1,5ºC por pelo menos um ano até 2026. Para algumas plantas e animais, provavelmente já seria tarde demais.

"Mesmo com um aquecimento de 1,5ºC, as condições vão mudar além da habilidade de muitos organismos de se adaptar", destaca o relatório.

Os recifes de coral - ecossistemas dos quais dependem meio bilhão de pessoas - são um exemplo. Os povos originários do Ártico enfrentam um risco de extinção cultural, enquanto o ambiente no qual construíram seus modos de vida e sua história irá derreter. As áreas passíveis de incêndiso dobraram, contribuindo para perdas na produção de alimentos. 

Preparação 

O mundo precisa enfrentar esta realidade e se preparar para seus impactos - a segunda grande lição do relatório. "Os níveis atuais de adaptação serão inadequados para responder aos riscos climáticos futuros", alerta. 

As projeções para meados do século - mesmo com um cenário otimista de um aquecimento de 2ºC - fazem disso um eufemismo. Dezenas de milhões de pessoas a mais podem enfrentar fome crônica até 2050 e 130 milhões a mais poderão experimentar a pobreza extrema em uma década, se permitirmos o aprofundamento da desigualdade.   

Em 2050, as cidades costeiras na "linha de frente" da crise climática terão centenas de milhões de pessoas expostas ao risco de tempestades cada vez mais frequentes, mais mortais devido à elevação do nível dos mares. Cerca de 350 milhões mais pessoas morando em áreas urbanas serão expostas à escassez de água, devido a secas severas com um aquecimento de 1,5ºC, e 410 milhões com um aquecimento de 2ºC. Esse meio grau a mais na temperatura também significará mais 420 milhões de pessoas expostas a ondas de calor extremas e potencialmente letais. 

"O aumento dos custos da adaptação para a África são estimados em dezenas de bilhões de dólares ao ano com um aquecimento superior a 2ºC", adverte o relatório, sem mencionar de onde viria o dinheiro.  

Ponto de não retorno

Em terceiro lugar, o relatório delineia o perigo dos impactos complexos e em cascata, juntamente com os limites do ponto de não retorno no sistema climático, conhecidos como "pontos de virada", que os cientistas apenas começaram a compreender. Foram identificados uma dúzia de cenários no sistema climático de mudanças irreversíveis e potencialmente catastróficas.

Pesquisas recentes mostraram que um aquecimento de 2ºC poderia levar o gelo derretido na Groenlândia e no oeste da Antártica - com água congelada suficiente para elevar os oceanos em 13 metros - a passar do ponto de não retorno.   

Outros pontos de inflexão poderiam levar a bacia amazônica a mudar de floresta tropical para savana e bilhões de toneladas de carbono se liberarem do permafrost siberiano, produzindo mais aquecimento. 

No futuro mais imediato, algumas regiões - leste do Brasil, sudeste da Ásia, o Mediterrâneo, centro da China - e as zonas costeiras em quase todo o mundo serão atingidas por três, quatro ou mais calamidades de uma vez: seca, ondas de calor, ciclones, incêndios florestais, inundações.

Mas os impactos do aquecimento global também são amplificados por todas as outras formas com as quais a humanidade destruiu o equilíbrio terrestre. Estes incluem "perdas de hábitat e resiliência, superexploração, extração de água, poluição, espécies invasivas não nativas, e dispersão de pragas e doenças", enumera o informe. 

Não há solução fácil para este emaranhado de problemas, admite Nicholas Stern, ex-economista-chefe do Banco Mundial, autor do emblemático "Relatório Stern" (Stern Review on the Economics of Climate Change, no original em inglês).

"O mundo está confrontado com um conjunto complexo de desafios entrelaçados", diz Stern, que não contribuiu com o relatório do IPCC. "A menos que sejam enfrentados juntos, não é possível se sair muito bem em nenhum deles".

'Mudança transformadora" 

Há muito poucas notícias positivas nas 4.000 páginas do relatório, mas o IPCC destaca que muito pode ser feito para evitar os piores cenários e nos prepararmos para os impactos que não podem mais ser evitados - esta é a lição final.   

A preservação e a restauração dos chamados ecossistemas de carbono azul (que sequestram carbono), tais como florestas de algas e manguezais, por exemplo, aumentam o armazenamento de carbono e protegem contra tempestades, assim como fornecem habitats para a vida selvagem, sustento para comunidades costeiras e segurança alimentar.

A transição para dietas mais baseadas em plantas também poderia reduzir as emissões relacionadas a alimentos em até 70% até 2050. Mas simplesmente trocar um carro a gasolina por um modelo elétrico ou plantar bilhões de árvores para compensar o 'business-as-usual' não irá resolver o problema, adverte o IPCC.   

"Nós precisamos de uma mudança transformadora em processos e comportamentos em todos os níveis: individual, comunitário, nos negócios, instituições e governos", exorta o informe. "Nós precisamos redefinir nosso estilo de vida e consumo", concluem os cientistas do clima.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.