Encontrados destroços do avião que caiu na Rússia com 28 pessoas a bordo

Imagem de arquivo de um avião Antonov An-26 sobrevoando Budapeste em 20 de agosto de 2007.
Imagem de arquivo de um avião Antonov An-26 sobrevoando Budapeste em 20 de agosto de 2007. Ferenc Isza AFP/Archivos

Um avião comercial desapareceu dos radares na manhã desta terça-feira (6) quando sobrevoava a Península de Kamtchatka, no extremo oriente russo. A aeronave transportava 28 pessoas. Os destroços foram encontrados várias horas depois, a quatro quilômetros da cidade de Palana.

Publicidade

O Antonov An-26 de fabricação soviética deixou de emitir sinais quando fazia a rota entre a capital regional Petropavlovsk-Kamchatski e a pequena cidade costeira de Palana, indicou a porta-voz do procurador regional encarregados dos Transportes, Valentina Glazova.

As agências de imprensa russas informam que das 28 pessoas a bordo, 22 eram passageiros e seis, integrantes da tripulação.

O vice-presidente do território de Kamtchatka, Alexandre Zabolitchenko, citado pela mídia russa, detalhou que a aeronave deixou de emitir sinais a nove quilômetros de seu destino, onde deveria ter pousado às 15h50 pelo horário local (2h50 em Brasília). Imediatemente, as autoridades lançaram equipes de busca e dois helicópteros para localizar o Antonov An-26.

Os destroços foram encontrados a quatro quilômetros do aeroporto de Palana, várias horas após o avião ter desaparecido dos radares. As equipes de socorro já foram enviadas ao local do acidente, mas "o trabalho de resgate é difícil por causa da geografia do terreno", informaram as autoridades.

O avião pertence a uma empresa aérea local que opera essa rota doméstica na imensa e pouco povoada península russa da costa pacífica. A maioria dos passageiros era originária de Palana, uma pequena cidade de menos de 3.000 habitantes. A prefeita do município, Olga Mokhiriova, e uma criança nascida em 2014 estavam a bordo do avião, de acordo com uma lista de passageiros publicada no site do governo regional.

Várias informações circulavam sobre o local da provável queda do aparelho. Uma fonte afirmou à agência estatal TASS que ele teria caído no mar. A tese é corroborada pela agência Ria Novosti, que informou, baseada em declarações dos serviços de socorro, o envio de barcos ao local do acidente. Já a Interfax, citando outras fontes, indicou uma queda próxima a uma mina de carvão nas imediações de Palana.

Acidentes frequentes

O Antonov An-26 é um avião concebido nos anos 1960 para transportar as forças militares soviéticas e seus aliados, mas também foi desenvolvido para ser usado pela aviação civil. Ele foi produzido entre 1969 e 1986. Nos últimos anos, modelos da aeronave sofreram vários acidentes mortais. O último deles, na Península de Kazakhstan, deixou quatro militares mortes em março de 2021.

Em setembro de 2020, 26 pessoas, principalmente estudantes de uma escola militar, morreram na queda de um Antonov An-26 em Kharkiv, e em março de 2018, um acidente no momento da aterrissagem na base russa de Hmeimin, na Síria, matou todos os 39 militares que estavam a bordo.

Conhecida internacionalmente por seus acidentes aéreos, a Rússia melhorou significativamente a segurança do transporte desde os anos 2000. À medida que as principais companhias aéreas abandonam os velhos modelos soviéticos e compram aviões mais modernos, a frota russa se renova. Mas a falta de manutenção e um certo laxismo no respeito às regras de segurança ainda são um problema no país.

(Com AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.