OMS critica “egoísmo” de países ricos que recomendam 3ª dose da vacina

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) Tedros Adhanom Ghebreyesus denuncia o "egoísmo" de uma terceira dose da vacina defendida por países ricos. (arquivo)
O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) Tedros Adhanom Ghebreyesus denuncia o "egoísmo" de uma terceira dose da vacina defendida por países ricos. (arquivo) © KEYSTONE/MARTIAL TREZZINI sda-ats

Uma terceira dose da vacina para prolongar a imunidade contra a Covid ganha adeptos em vários países, principalmente ricos, mas a recomendação não tem unanimidade. Entre seus opositores, está a Organização Mundial da Saúde (OMS) que taxa os governos das nações mais desenvolvidas do planeta de “egoístas”.

Publicidade

Com informações do correspondente da RFI em Genebra, Jérémie Lanche

Os laboratórios Pfizer e BioNTech defendem uma terceira dose para aumentar a eficácia de sua vacina anticovid contra novas variantes, e Israel já começou a aplicar um reforço nos pacientes mais vulneráveis.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, integra o grupo dos governantes favoráveis à medida. O premiê francês estima a terceira dose necessária principalmente para as pessoas mais vulneráveis — idosos e pessoas com comorbidades — que foram imunizadas no começo da campanha de vacinação na França, no início de 2021.

Terceira dose não faz sentido

Para a OMS, um terceiro reforço não faz o menor sentido enquanto a quase totalidade da população dos países pobres ainda não recebeu nenhuma dose da vacina. Os países ricos prometeram um bilhão de vacinas ao Covax, assim como garantem o financiamento desse programa de distribuição mundial de imunizantes, gerenciado pela agência de saúde da ONU. Mas, além do fato de as promessas e cheques não chegarem no prazo prometido, as potências desenvolvidas barganham o essencial das doses disponíveis no mercado e, muitas delas, são contra a quebra das patentes das vacinas.

Por isso, quando alguns dirigentes mundiais falam em terceira dose, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, passa à ofensiva. “Os países ricos começam a dizer : ‘nós controlamos o vírus, isso não é mais nosso problema…’ Não tenho certeza que eles já se livraram da pandemia ou tenham controlado a circulação do coronavírus por causa da variante Delta e de outras variantes que podem surgir. Sinto dizer isso, mas, se a solidariedade não funcionar, todo mundo vai saber o porquê. A culpa é da cobiça. Ninguém ainda está livre dessa história”, alerta o diretor-geral da OMS.

O aviso vale também para os fabricantes, e em primeiro lugar para os laboratórios Pfizer et Moderna. A organização pediu para que eles não priorizem as encomendas de terceiras doses de países que apresentam uma taxa de vacinação elevada. A OMS pede que as farmacêuticas privilegiem o Covax, que praticamente não tem recebido vacinas.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI