Irã: novo presidente ultraconservador recebe país abalado pela economia e pela pandemia

ultraconservador Ebrahim Raisi tomou posse nesta terça-feira (3) como novo presidente do Irã, com a missão de recuperar uma economia afundada pelas sanções americanas e pela pandemia, além de retomar as negociações para salvar o acordo internacional sobre o programa nuclear do país.
ultraconservador Ebrahim Raisi tomou posse nesta terça-feira (3) como novo presidente do Irã, com a missão de recuperar uma economia afundada pelas sanções americanas e pela pandemia, além de retomar as negociações para salvar o acordo internacional sobre o programa nuclear do país. VIA REUTERS - OFFICIAL KHAMENEI WEBSITE

O ultraconservador Ebrahim Raisi tomou posse nesta terça-feira (3) como novo presidente do Irã, com a missão de recuperar uma economia afundada pelas sanções americanas e pela pandemia, além de retomar as negociações para salvar o acordo internacional sobre o programa nuclear do país.

Publicidade

Vencedor da eleição presidencial de junho, marcada por uma taxa de abstenção recorde e os vetos às candidaturas de vários rivais, Raisi é o sucessor do moderado Hasan Rohani, que alcançou em 2015 o acordo nuclear entre o Irã e as grandes potências após vários anos de tensão.

Ex-comandante da Autoridade Judicial, Raisi, 60 anos, inicia oficialmente o mandato de quatro anos após a aprovação de sua eleição pelo guia supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei.

"De acordo com a escolha do povo, dou posse ao sábio, incansável, experiente e popular Ebrahim Raisi como presidente da República Islâmica do Irã", escreveu o guia supremo em um decreto lido por seu chefe de gabinete.

A cerimônia teve um número limitado de convidados devido à pandemia.

Raisi prestará juramento na quinta-feira (5) no Parlamento, ao qual deve apresentar seus candidatos para os cargos ministeriais.

O novo presidente afirmou que o governo tentará suspender as sanções americanas contra o país, mas não espera que os estrangeiros ajudem a melhorar a situação do Irã.

"Certamente buscamos suspender as sanções opressivas, mas não vamos subordinar as condições de vida da nação à vontade dos estrangeiros", disse Raisi em um discurso transmitido pela televisão estatal após a cerimônia de posse.  

“Superar adversidades"

A presidência de Raisi consagrará o domínio dos conservadores após a vitória nas eleições legislativas em 2020.

"Tenho muita esperança para o futuro do país", afirmou antes da cerimônia de posse. "É possível superar as adversidades e os limites atuais, apoiado pelo povo iraniano", completou.

Para Clément Therme, pesquisador do Instituto Universitário Europeu, com sede em Florença (Itália), o objetivo principal de Raisi "será melhorar a situação econômica, reforçando as relações econômicas entre a República Islâmica do Irã e os países vizinhos", além de Rússia e China.

Em 2018, o ex-presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo de 2015 e restabeleceu as sanções contra o Irã. Em resposta, Teerã renunciou à maioria de seus compromissos que limitavam seu polêmico programa nuclear.

Economia castigada

As sanções de Washington castigaram a economia iraniana e prejudicaram especialmente as exportações de petróleo.

Em 2017-2018 e novamente em 2019, o Irã registrou manifestações que tiveram como pano de fundo o descontentamento social vinculado às dificuldades econômicas.

Em julho, habitantes da província rica em petróleo do Cuzistão (sudoeste) protestaram contra a falta de água.

A crise econômica foi agravada pela pandemia de Ccovid-19. O Irã é o país mais afetado pela doença na região.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.