Governo sírio se diz disposto a ajudar Líbano em importações de gás e eletricidade

O ministro sírio de Assuntos Exteriores, Faisal al-Mekdad, encontra uma delegação do governo interino do Líbano, em Damasco, na Síria, em 4 de setembro de 2021.
O ministro sírio de Assuntos Exteriores, Faisal al-Mekdad, encontra uma delegação do governo interino do Líbano, em Damasco, na Síria, em 4 de setembro de 2021. REUTERS - YAMAM AL SHAAR

O governo sírio se diz disposto a ajudar o Líbano, autorizando o trânsito, em seu território, de importações de gás e eletricidade, indicou neste sábado (4) um responsável libanês. Uma delegação ministerial libanesa iniciou neste sábado (4), em Damasco, conversas concentradas na importação de energia através da Síria.

Publicidade

A delegação ministerial libanesa se reuniu, em Damasco, com o ministro sírio das Relações Exteriores, Faysal Moqdad, e o ministro do Petróleo, Bassam Tohmé.

Em entrevista coletiva após o encontro no Ministério das Relações Exteriores, um funcionário de alto escalão do governo libanês afirmou que a Síria está "disposta" a ajudar o Líbano em relação à "passagem do gás egípcio e da eletricidade jordaniana, através do território sírio".

"As duas partes concordaram em dar prosseguimento aos detalhes técnicos, mediante o estabelecimento de uma equipe conjunta", disse a mesma fonte, cercada de ministros libaneses e sírios.

Liderada pela vice-primeira-ministra do governo provisório, Zeina Akkar, a delegação libanesa é composta do ministro das Finanças, Ghazi Wazni, de Energia, Raymond Ghajar, e pelo influente diretor-geral de Segurança Geral, Abbas Ibrahim.

Em meio ao colapso econômico, o Líbano sofre uma grave escassez de combustível e cortes de energia que paralisam, em grande medida, os serviços e as atividades de hospitais, restaurantes, lojas e indústrias.

O Líbano tentará transportar gás egípcio e eletricidade jordaniana, através da Síria e de suas infraestruturas. Isso será feito com o consentimento dos Estados Unidos, em meio às sanções de Washington contra o governo sírio.

Infraestrutura danificada   

As infraestruturas sírias foram devastadas pelo conflito deflagrado em 2011, e serão necessárias obras no país para permitir o transporte das importações de energia da Jordânia, assim como através do Mar Vermelho, no caso do gás egípcio.

Em relação à compra de gás egípcio e aos custos de transporte, a presidência libanesa já havia informado sobre as negociações realizadas por Washington com o Banco Mundial para assegurar o financiamento.

O comitê conjunto vai avaliar "em que estado se encontram as infraestruturas", disse o ministro sírio Bassam Tohmé à imprensa, já que "as infraestruturas, de gás ou elétricas, sofreram danos significativos".

Muito simbólico, este deslocamento acontece no momento em que o Líbano segue profundamente dividido a respeito das relações a serem mantidas com Damasco, desde a eclosão do conflito na Síria, em 2011.

Ambos os países mantiveram relações diplomáticas, mas as visitas oficiais são praticamente inexistentes. Apenas os ministros dos partidos libaneses aliados de Damasco, em particular o Hezbollah, visitaram a Síria, a título individual.

Esta visita também se insere no contexto de rivalidades geopolíticas entre Estados Unidos e Irã, apoiador do movimento libanês Hezbollah.

Embora o Líbano esteja há mais de um ano negociando com o Cairo sobre a questão energética, as sanções americanas contra a Síria sempre representaram um obstáculo.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI