EUA vão doar mais meio bilhão de doses de vacinas aos países mais pobres

EUA esperam que 70% da população mundial esteja totalmente vacina no prazo de um ano.
EUA esperam que 70% da população mundial esteja totalmente vacina no prazo de um ano. AP - Francisco Seco

O governo dos Estados Unidos vai comprar e distribuir aos países com menos recursos 500 milhões de doses suplementares da vacina anticovid-19 da Pfizer. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (22) por fontes do governo americano. Washington já havia anunciado uma primeira doação equivalente. 

Publicidade

Como esse novo lote de vacinas, Washington elevará para mais de 1,1 bilhão a doação total de doses feitas desde o início da campanha de imunização. O anúncio deve ser feito oficialmente pelo presidente democrata Joe Biden ainda nesta quarta-feira em uma reunião de cúpula virtual sobre a luta contra a pandemia. 

O encontro reúne, de maneira virtual, funcionários de mais de 100 países, segundo as fontes americanas. Não foram divulgados detalhes sobre os participantes. 

Durante a reunião, Biden deve apresentar seu objetivo para que cada país, incluindo os mais pobres, alcance 70% de sua população vacinada, antes da próxima Assembleia Geral da ONU, ou seja, dentro de um ano. 

"É um compromisso imenso dos Estados Unidos. Para cada dose que administramos neste país até agora, estamos doando três doses para outros países", disse uma funcionária da administração americana. Até o momento, o governo dos Estados Unidos doou quase 160 milhões de doses para mais de 100 países. 

As vacinas serão compradas a preço de custo e distribuídas por meio do mecanismo internacional Covax. 

Desigualdade 

Mais de seis bilhões de doses de vacina anticovid-19 foram aplicadas no mundo todo, mas as desigualdades de acesso aos imunizantes persistem. Embora cerca de 15 países já estejam administrando a terceira dose de reforço, e que a imunização mundial tenha avançado em um ritmo constante nos últimos três meses, a vacinação não decola nos países pobres – em particular na África. 

Mesmo se o governo norte-americano defende que 70% da população de cada país deve estar totalmente imunizada dentro de um ano, nem os Estados Unidos alcançaram esse índice, já que menos de 55% de sua população foi totalmente vacinada até agora. Por enquanto, a meta americana foi superada apenas por uma pequena minoria de países, entre eles sete da União Europeia (UE), como França, Portugal e Espanha. 

Com 2,18 bilhões de injeções aplicadas, a China concentra quase quatro em cada 10 doses administradas no mundo. Índia (826,5 milhões) e Estados Unidos (386,8 milhões) completam o pódio em valor absoluto. 

Em relação à população, e entre os países com mais de um milhão de habitantes, os Emirados Árabes Unidos são os campeões da vacinação, com 198 doses para cada 100 habitantes, e mais de 81% de sua população está totalmente vacinada. 

Covax 

Em seguida aparecem Uruguai (175 doses para 100 habitantes), Israel (171), Cuba (163), Catar (162) e Portugal (154). Em boa parte deles, a ampla maioria de sua população está com o esquema de vacinação completo. A França não fica muito atrás, com 139 injeções por 100 habitantes, e 70,8% de sua população tendo recebido duas doses.

A maioria dos países pobres também começou a vacinar, principalmente graças ao mecanismo de solidariedade internacional Covax, programa formado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pela aliança Gavi e pela coalizão Cepi. Com as doses fornecidas pelos países ricos, eles conseguiram acelerar ligeiramente suas campanhas nas últimas semanas.

No entanto, três países nem iniciaram suas campanhas de vacinação contra o coronavírus: Burundi e Eritreia, na África Oriental; e Coreia do Norte, na Ásia. 

(Com informações da AFP) 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI