Depois de 18 meses, Argentina e Uruguai abrem as suas fronteiras a todos os estrangeiros

Áudio 05:52
Profissional de saúde administra vacina da AstraZeneca em um centro de Buenos Aires, na Argentina, em 27 de julho de 2021.
Profissional de saúde administra vacina da AstraZeneca em um centro de Buenos Aires, na Argentina, em 27 de julho de 2021. AP - Victor R. Caivano

A partir desta segunda-feira (1), Argentina e Uruguai reabrem as suas fronteiras a todos os turistas estrangeiros, sem exceção de nacionalidade. A Argentina já tinha aberto as suas fronteiras há um mês, mas apenas para os países vizinhos e com exigências que agora serão eliminadas.

Publicidade

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

Os dois países vão vacinar os turistas menores de 18 anos. O Uruguai também vai aplicar uma dose de reforço aos turistas. Nos dois países, a variante Delta começa a aumentar o número de contágios, mas caem as internações e os óbitos.

A Argentina abriu as fronteiras para os países vizinhos há exatamente um mês, mas agora diminui as exigências e amplia a abertura a todos os estrangeiros, um panorama oposto ao de meses atrás, quando era o único país no mundo a impedir que os seus próprios cidadãos voltassem para casa.

O Uruguai tinha aberto as suas fronteiras há dois meses, mas apenas para estrangeiros proprietários de imóveis no país.

Depois de 18 meses, os dois países abrem completamente, mas sob algumas condições.

Exigências para entrada de turistas estrangeiros

Tanto a Argentina quanto o Uruguai vão permitir a entrada de estrangeiros sem a necessidade de uma quarentena. A exigência básica nos dois países é que os adultos acima de 18 anos estejam completamente vacinados com, pelo menos, 14 dias, no caso da Argentina, e 15 dias, no caso do Uruguai. Serão aceitas todas as vacinas, sem exceção.

No caso do Uruguai, há uma exigência extra: a vacina não pode ter sido aplicada há mais de nove meses.

Por outro lado, o Uruguai também vai permitir que, quem teve a doença dentro dos 90 dias prévios à chegada ao país, também possa entrar, mesmo que não esteja vacinado.

Nos dois países, os menores de 18 anos podem entrar mesmo sem estarem vacinados.

Todos os turistas devem preencher um formulário online que terá valor de declaração juramentada.

Assim como na maioria dos países, é obrigatória a apresentação de um exame RT-PCR negativo dentro das 72 horas prévias ao embarque. No caso do Uruguai, será necessário fazer um segundo RT-PCR, já em território uruguaio, depois de sete dias do primeiro. A Argentina também tinha essa exigência, mas isso fica eliminado a partir de agora.

Para entrar nos dois países, os turistas vão precisar de um seguro médico que cubra os casos de Covid-19.

Vacinas para turistas

Como é condição para os estrangeiros acima de 18 anos estarem vacinados, tanto a Argentina quanto o Uruguai vão vacinar os menores que quiserem ser vacinados.

A Argentina, neste momento e para essa faixa etária, aplica Pfizer e Sinopharm. O Uruguai aplica Pfizer. As vacinas são gratuitas nos dois países.

O Uruguai também vai aplicar Pfizer em todos os turistas que desejarem uma dose de reforço. Para isso, vão precisar agendar um horário cinco dias depois de estarem no país.

A Argentina também vai vacinar estrangeiros de países vizinhos, incluídos brasileiros, em postos de fronteira, via terrestre.

Uso de máscaras

Durante outubro, tanto a Argentina quanto o Uruguai suspenderam o uso obrigatório de máscaras quando a pessoa estiver ao ar livre e sem aglomeração. Se a pessoa estiver ao ar livre e com o seu grupo de convivência não precisa mais usar máscara. Se estiver a menos de dois metros de pessoas com quem não conviva, precisa. Em espaços fechados, o uso continua obrigatório.

Nos dois países, devido à variante Delta, o número de casos voltou a subir há duas semanas, depois de três meses de queda.

Ainda não se trata de uma terceira onda. São números baixos, mas que começaram a crescer em algumas regiões dos dois países. A diferença com a segunda onda é que, graças à vacinação, os novos contágios são leves. Crescem os contágios, mas as internações e as mortes, não.

A Argentina tem 57% da sua população completamente vacinada. No Uruguai, essa conquista chega a 75%.

A Argentina mudou a sua métrica para decidir novas restrições. Agora, o que se observa é o nível de ocupação das Unidades de Terapia Intensiva; não o aumento de contágios. Por isso, o país se abre mais a cada semana.

A cifra de contágios aumentou 36% nas duas últimas semanas, sobretudo em menores de 18 anos, mas a de internação caiu 22% e a de falecidos diminuiu 44%. Quase não há internados por Covid-19 nas UTIs.

Por isso, na sexta-feira (29), a União Europeia incluiu a Argentina na lista de "países seguros" na qual o Uruguai já estava desde o ano passado. Os países latino-americanos na lista de seguros da União Europeia são, além da Argentina e do Uruguai, o Chile, a Colômbia e o Peru. O Brasil, não.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI