Acesso ao principal conteúdo
Níger

Níger: Estado Islâmico reivindicou a morte de oito pessoas

O carro dos trabalhadores humanitários foi queimado.
O carro dos trabalhadores humanitários foi queimado. © BOUREIMA HAMA / AFP
Texto por: Marco Martins
2 min

Mais de um mês após a morte de oito pessoas no Níger, incluindo seis trabalhadores humanitários franceses, o Estado Islâmico reivindicou esse homicídio na sua revista ‘Al-Naba’.

Publicidade

Seis trabalhadores humanitários franceses, dois homens e quatro mulheres, da ONG ACTED, bem como dois nigerinos, um motorista e um guia turístico, morreram num ataque a 9 de Agosto de 2020, quando visitavam uma reserva natural de girafas em Kouré, a 60 quilómetros da capital, Niamey.

No seu semanário de propaganda ‘Al-Naba’, o grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou o ataque, afirmando que as vítimas foram raptadas e depois executadas no mesmo dia. Uma publicação que foi autenticada pelo organismo norte-americano especializados nos grupos terroristas, SITE.

Recorde-se que após o ataque, o governo nigerino fechou a reserva, enquanto a França colocou todo o Níger como "área vermelha" para os seus cidadãos, excepto a capital Niamey.

A França prestou homenagem às vítimas a 14 de Agosto. Myriam, Stella, Nadifa, Charline, Antonin e Léo "tinham entre 25 e 31 anos eram jovens generosos e brilhantes", sublinhou o primeiro-ministro, Jean Castex, na presença de familiares das vítimas, no aeroporto de Orly, nos arredores de Paris.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.