Acesso ao principal conteúdo
Guiné Conacri

Guiné Conacri: Alpha Condé descarta presidência vitalícia

Alpha Condé, candidato à sua sucessão na Guiné Conacri.
Alpha Condé, candidato à sua sucessão na Guiné Conacri. REUTERS/Afolabi Sotunde/File Photo
Texto por: Miguel Martins
4 min

A Guiné Conacri tem eleições presidenciais agendadas para dia 18. O presidente cessante, Alpha Condé, vai disputar o escrutínio, candidatando-se a um terceiro mandato. Numa entrevista conjunta à RFI e à France 24 ele alega não pretender fazer uma presidência vitalícia, assumindo-se como um democrata que aceitará o resultado das urnas.

Publicidade

Não obstante a controvérsia Alpha Condé, ex eterno opositor da Guiné Conacri, assume a sua candidatura a um terceiro mandato que vai disputar nas eleições de 18 de Outubro.

Condé de 82 anos foi o primeiro presidente democraticamente eleito do país em 2010, tendo sido reeleito em 2015.

A sua chegada ao poder ocorreu após décadas de regimes autoritários neste país limítrofe da Guiné-Bissau.

Com a alteração da constituição sufragada em referendo em Março passado estipulando um limite de dois mandatos os seus apoiantes estimam que é como se os contadores tivessem ficado a zero, dando a possibilidade a Condé de se voltar a candidatar à magistratura suprema.

Condé descartou qualquer discurso étnico e desvalorizou um relatório da Amnistia Internacional segundo o qual a repressão das manifestações teria feito pelo menos 50 mortos e denunciando a impunidade das forças de segurança.

Eis um extracto da entrevista da RFI e France 24 a Alpha Condé.

"Não se trata de fazer uma presidência vitalícia.

Batalhei durante 44 anos como opositor.

Ganhei as eleições de 93, como toda a gente o sabe.

Ou seja se o que eu pretendia era uma presidência vitalícia teria começado por me tornar presidente em 1993.

Agora vamos para eleições, não vou agora tomar posição quanto a mais nada.

Uma eleição nunca é ganha antes de ser disputada.

Logo veremos se ganho ou não.

Sou um democrata, criei um partido e batalhei durante 45 anos.

Os meus adversários são funcionários que acabaram por se tornar primeiros-ministros.

E então é que criaram um partido.

Parece-me extraordinário que tenha sido eu a batalhar ao longo de 45 anos para vir agora a ser apelidado de ditador ou de anti-democrata.

Quando foram os outros a saquear o país como coveiros da economia guineense."

Alpha Condé, presidente da Guiné Conacri

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.