Chade

União Africana deve legitimar transição no Chade

Mahamat Idriss Déby, novo homem forte do Chade.
Mahamat Idriss Déby, novo homem forte do Chade. © AFP - CHRISTOPHE PETIT TESSON

O Conselho de paz e segurança da União Africana reúne-se desde hoje para debater a situação no Chade onde o filho do presidente Idriss Déby lhe sucedeu no cargo após a morte do presidente que acabava de ser reeleito para novo mandato, com uma junta militar a assegurar uma transição de 18 meses.

Publicidade

Esta transição sob regime militar, levada a cabo pelo filho do presidente defunto, morto em combate não agrada a muitos sectores do continente.

A África Austral, nomeadamente, discordava da hipótese de se legitimar um "golpe de Estado".

Daí o relatório que a organização panafricana esboçou pretender obter garantias.

Garantias de que será cumprido o período de transição de 18 meses, mediante um diálogo que levaria à partilha do poder entre militares e civis, como aconteceu no Sudão.

A UA, desta feita, poderia legitimar a transição chadiana reafirmando o papel essencial do país na luta contra o terrorismo no continente.

Este relatório foi redigido após uma missão de dez dias no final de Abril ao Chade, precisamente porque o Conselho de paz e segurança da União Africana não conseguir definir uma posição comum.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI