Acesso ao principal conteúdo
Política/França

França: moções de censura rejeitadas

O  Primeiro-ministro francês,Edouard Philippe diante da Assembleia Nacional.Paris.24 de Julho de 2018
O Primeiro-ministro francês,Edouard Philippe diante da Assembleia Nacional.Paris.24 de Julho de 2018 REUTERS/Philippe Wojazer
Texto por: RFI
4 min

No âmbito do polémico caso Benala, a oposição francesa apresentou nesta segunda-feira duas moções de censura que tinham como objectivo derrubar o governo chefiado por Edouard Philippe. Todavia, segundo os analistas em Paris,o principal alvo das moções,uma de esquerda e outra de direita, era o Presidente Macron.As intervenções da oposição na Assembleia confirmaram as críticas ao presidente,cujo governo sobreviveu às moções sem dificuldades.

Publicidade

O Presidente Emmanuel Macron foi o alvo de todas as críticas durante o debate, na Assembleia Nacional francesa,de duas moções de censura contra o governo,emanando da direita e da esquerda, que exigem explicações sobre o caso Benalla, relacionado com Alexandre Benalla,antigo colaborador do Chefe de Estado acusado de violências.

 

Segundo o chefe de fila da bancada parlamentar da direita, Christian Jacob do partido Les Républicains, o escândalo é o do Chefe de Estado que protegeu e privilegiou um homem que lhe serviu, assim como de um governo que renunciou".

Porta-voz da moção de censura apresentada pela direita, Jacob, afirmou que o caso Benalla deixará marcas políticas e morais profundas ao Presidende Macron, bem como institucionais no que toca à organização dos poderes públicos .

O defensor da moção de esquerda,representando os partidos comunista, socialista e a França Insubmissa,André Chassaigne,considerou que o caso Macron-Benalla contribuira para desvendar a realidade do exercício do poder pelo Presidente da República e abrir uma ferida que nunca sarará.

Na sua resposta, o Primeiro-ministro Edouard Philippe deplorou uma instrumentalização política e uma vontade de atingir Emmanuel Macron através do caso Benalla e das moções de censura.

 

Como a direita e a esquerda não dispunham da maioria necessária de 289 votos para destituir o governo, as duas moções foram rejeitadas. Cento e quarenta três deputados votaram a moção da direita e 74 a da esquerda.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.