Acesso ao principal conteúdo
Política/Mali

Mali: novo ataque

Militares malianos em patrulha na  capital Bamako. 27 de Julho de 2018
Militares malianos em patrulha na capital Bamako. 27 de Julho de 2018 REUTERS/Luc Gnago.
Texto por: RFI
3 min

Depois do norte na passado domingo, data da primeira volta da eleição presidencial, o Mali voltou a ser alvo de um novo ataque terrorista na sua região central.O tiroteio, ocorrido durante o ataque, resultou na morte de quatro militares malianos e oito agressores.

Publicidade

O ataque decorreu na noite de terça-feira na estrada que liga as localidades de Nampala e Coura, na região de Ségou, no centro-sul do país, de acordo com um porta-voz do Ministério da Defesa maliano.

No domingo último, os malianos votaram para a eleição presidencial, na qual o Presidente vigente, Ibrahim Boubacar Keïta, candidatou-se a um novo mandato contra mais de 20 adversários.

Homens armados conseguiram impedir a abertura de 644 mesas de voto, isto é cerca de 3% do total. Segundo o Ministério da Administração Territorial , ataques armados e outros actos violentos pertubaram a votação em 4.632 urnas.

A escolta que atacada na terça-feira transportava material eleitoral. Sublinhe-se que este novo ataque, tem lugar numa altura em que os capacetes azuis canadianos iniciam a sua missão no norte do Mali ,que terá como base a cidade de Gao.

O contingente de 250 militares substitui o seu homólogo alemão e uma das suas primeiras missões será assegurar a evacuação médica, a partir desta quarta-feira. A missão dos canadianos terá a duração de um ano.

A MINUSMA ( Missão das Nações Unidas no Mali) foi destacada para o Mali em 2013, na sequência da operação anti-jiadista francesa e é composta por cerca de 14.000 efectivos, incluindo militares e polícias.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.