Acesso ao principal conteúdo
Suécia/Política

Eleições suecas: sob espectro de extrema-direita

Jimmie Akesson,líder dos Democratas da Suécia ,partido da  extrema-direita,durante um comício em Motala  no dia 6 de Stembro  de 2018.
Jimmie Akesson,líder dos Democratas da Suécia ,partido da extrema-direita,durante um comício em Motala no dia 6 de Stembro de 2018. REUTERS/TT News Agency/Fredrik Sandberg
Texto por: RFI
4 min

Os suecos votaram neste domingo para eleger um novo parlamento com o espectro da extrema-direita a pairar sobre o escrutínio. Segundo os analistas, perante o recuo dos partidos ditos tradicionais, como o Social-Democrata, a extrema -direita representada pelos Democratas da Suécia, poderá registar um ascensão em termos eleitorais .

Publicidade

Depois da Áustria e a Itália, a Suécia poderá vir a ser o terceiro país importante da União Europeia a ter a participação da extrema-direita no governo.

Segundo os analistas, o recuo na cena política sueca dos chamados partidos tradicionais poderia favorecer a ascensão eleitoral dos Democratas da Suécia, formação política da extrema-direita,cuja agenda é dominada pela luta contra a imigração.

Jimmie Akesson, líder dos Democratas da Suécia, revelou-se confiante na progressão eleitoral do seu partido, que preconiza uma política restritiva em matéria de imigração.

Dos 7.5 milhões de suecos que foram às mesas de voto, neste Domingo, 20 %, de acordo com os últimos inquéritos de opinião realizados antes do escrutínio, estavam indecisos sobre a sua escolha final.

Os sociais-democratas,tradicionalmente o maior partido da Suécia, que governavam o país com os ecologistas ,Verdes,segundo os analistas poderiam registar um dos piores resultados eleitorais desde 1911.

Stefan Lofven,Primeiro-ministro social-democrata cessante, considerou a votação deste Domingo, um referendo sobre o futuro do Estado Social na Suécia.

Em contrapartida para os Democratas da Suécia, o escrutínio foi uma eleição sobre os imigrantes e a sua inclusão na sociedade sueca.

As últimas sondagens de opinião sugeriam que a  extrema-direita, (DS) poderá beneficiar de 16 a 25% dos votos.

Tido como um racista, o líder da extrema-direita, Jimmie Akesson, afirmou que o DS está em concorrência com os sociais-democratas e com os conservadores da aliança formada pelos Moderados,os Liberais e os Cristãos Democratas, para se tornar a principal força política da Suécia.

Os resultados finais das eleições suecas, vão ser divulgados antes da meia-noite deste domingo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.