Guiné-Bissau / CPLP

Angola não excluiu a intervenção militar para resolver as crises na Guiné-Bissau

Soldados do Exercito da Angola.
Soldados do Exercito da Angola. Reuters

Durante a Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em Luanda, no passado dia 23, o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, realçou que a prioridade seria o dialogo com Bissau, mas não excluiu nenhuma hipótese, inclusive a de intervenção militar, para resolver a questão das constantes crises político-militares naquele país.

Publicidade

Nesta matéria Angola parece ter o apoio da CPLP. O secretário executivo da disse ontem que concorda com o presidente angolano sobre o eventual envio de uma força militar de intervenção para a Guiné-Bissau, no caso de um pedido explícito das autoridades guineenses.

Não só concordo, como isso corresponde àquilo que vínhamos a dizer desde Abril de 2009”, declarou Domingos Simões Pereira, à margem do lançamento de um pacote de ferramentas linguísticas (Flip 8) da empresa Priberam, em Lisboa.

Já o Presidente de Cabo-Verde, Pedro Pires, defendeu ontem em Luanda, que a situação na Guiné-Bissau deve ser tratada com “pragmatismo e cautela” e sempre em “consenso com as autoridades legítimas”. Proveniente do Uganda, onde participou na Cimeira da União Africana, Pedro Pires alertou para as particularidades guineenses.

O Chefe de Estado cabo-verdiano, que comparou a Guiné-Bissau a “um terreno extremamente movediço”, disse estar esperançado que se encontre uma solução para a situação daquele país, que se pode alcançar através de “um trabalho sério com os guineenses”.

O Presidente cabo-verdiano foi claro ao defender que “não se deve mandar fazer uma intervenção num país qualquer ignorando a posição das autoridades legítimas”.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI