Guiné Bissau

Morte de Tagmé Na Waié e Nino Vieira continua envolta em mistério

Assassinato  de Tagmé Na Waié e Nino Vieira  permanece envolta em mistério
Assassinato de Tagmé Na Waié e Nino Vieira permanece envolta em mistério (Photo : Reuters)

Assinala-se hoje dois anos sobre o assassinato de Tagmé Na Wai, Chefe de Estado Maior das Forças Armadas, que antecedeu em algumas horas a morte violenta e do ex-presidente da Republica João Bernardo Vieira. Dois assassinatos que permanecem envoltos em mistério.

Publicidade

Em Março de 2009, O Presidente João Bernardo ‘Nino’ Vieira foi assassinado na sua residência em Bissau, horas depois de o então chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, o general Tagmé Na Waié, ter sido, também ele, morto num atentado a bomba no quartel general no Estado-Maior em Bissau.

Dois anos depois, familiares das vítimas não percebem a demora que se está a verificar nesta investigação e pedem justiça e celeridade na resolução deste caso.

Roberto Cacheu, deputado do PAIGC, partido no poder, e porta porta-voz dos familiares das vítimas, entrevistado por Miguel Martins,  falou à RFI do estado atual das investigações. O deputado fala de um bloqueio que não deixa avançar o inquérito e adianta que a manter-se esta situação o Procurador-Geral da República deve demitir-se.

Roberto Cacheu, Deputado do PAIGC

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI