MOÇAMBIQUE

Afonso Dlhakama ameaça dividir e destruir Moçambique

Afonso Dlhakama, líder da RENAMO, na oposição em Moçambique
Afonso Dlhakama, líder da RENAMO, na oposição em Moçambique Miguel Martins/RFI

Afonso Dlhakama voltou a ameaçar fazer uso da violência em Moçambique. O líder da RENAMO, maior força da oposição, continua entrincheirado com os seus homens na Gorongosa, no centro a partir de onde ameaçou destruir e dividir o país.

Publicidade

Numa entrevista exclusiva à agência francesa AFP Dlhakama alegou estar a treinar os seus homens e, admitiu que se for necessário, "sairemos daqui para destruir Moçambique".

O líder da RENAMO alega estar-se numa situação insustentável ponderando pedir a divisão do país: o sul para a FRELIMO, partido no poder, o norte e o centro para o movimento da perdiz.

Estes os dois movimentos que protagonizaram a guerra civil moçambicana de 1977 a 1992 que provocou um milhão de mortos.

Estas novas declarações de Afonso Dlhakama não deixaram de ter eco em Moçambique.

Elisabete Azevedo Harman, docente nas Universidades Católica de Portugal e de Moçambique, ouvida por Laurent Correau, descarta a possibilidade de guerra civil no país e sublinha as consequências políticas e económicas das palavras de Afonso Dhlakama.

Elisabete Azevedo, Universidade católica de Maputo e Lisboa

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI