GUINÉ-BISSAU

Escolas da Guiné-Bissau a meio gás

O ano lectivo na Guiné-Bissau tem sido extremamente perturbado
O ano lectivo na Guiné-Bissau tem sido extremamente perturbado Liliana Henriques / RFI

Não obstante o fim da greve dos professores muitos dos docentes e dos alunos continuam sem comparecer nas salas de aulas da Guiné-Bissau. Há quase dois meses que as escolas guineenses têm estado encerradas. Os directores dos estabelecimentos ameaçam os alunos ausentes com sanções.

Publicidade

Luís Nancassa, presidente do sindicato dos professores apela a que os docentes retomem as actividades lectivas na sequência do protocolo obtido com o governo já que os pagamentos acordados já estão a ser efectuados.

Mas por ora alunos e professores continuam ainda muito ausentes dos estabelecimentos de ensino, como constatou Mussá Baldé, correspondente em Bissau.

Correspondência de Bissau

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI