Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Ramos-Horta garante que não há fome na Guiné-Bissau

José Ramos-Horta, representante da ONU na Guiné-Bissau
José Ramos-Horta, representante da ONU na Guiné-Bissau Martin H. / Wikipédia
Texto por: RFI
8 min

Para José Ramos-Horta o que existe é subnutrição, e apelou à comunidade internacional para aumentar a assistência humanitária à Guiné-Bissau. Ramos-Horta reage assim ao facto de o Programa Alimentar Mundial ter vindo a público dizer que estava com dificuldades financeiras para transportar alimentos para acudir 300 mil pessoas necessitadas.

Publicidade

Para Ramos-Horta, os solavancos políticos não podem afectar a ajuda internacional à população.

José Ramos-Horta, entrevistado por Mussá Baldé

O representante do secretário-geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau defendeu que as autoridades do país deviam aproveitar a presença do secretário executivo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa para normalizarem as relações com o bloco lusófono.

Murade Isaac Murargy encontra-se em Bissau desde Segunda-feira e até ao momento ainda não foi recebido nem pelo Presidente de transição, Serifo Nhamadjo, nem pelo Primeiro-Ministro, Rui de Barros.

O moçambicano Murade Isaac Murargy, fez um balanço destes três dias na Guiné-Bissau.

Murade Isaac Murargy, entrevistado por Liliana Henriques

Para o secretário executivo da CPLP a situação na Guiné-Bissau é muito difícil, e concorda com um sufrágio, se possível até Dezembro deste ano.

Murade Isaac Murargy, entrevistado por Liliana Henriques

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.