Portugal alega não haver ainda condições para retomar voos para a Guiné-Bissau

Aparelho da TAP, Transportadora aérea portuguesa
Aparelho da TAP, Transportadora aérea portuguesa www.flytap.com

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, disse que não está garantida a segurança para serem retomadas as ligações aéreas entre Portugal e a Guiné-Bissau. O primeiro-ministro de transição da Guiné-Bissau, Rui de Barros, lamentou o caso do embarque forçado dos 74 sírios para Portugal, a 10 de Dezembro.

Publicidade

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, afirmou que ainda não está garantida a segurança para serem retomadas as ligações aéreas entre Portugal e a Guiné-Bissau. Por outro lado, Rui Machete lembrou que Portugal não reconhece o Governo de transição da Guiné-Bissau e disse esperar que as eleições se realizem em Março e que "seja constituído um Governo que obedeça às normas constitucionais".

Rui Machete, Ministro dos Negócios Estrangeiros

Por sua vez, o primeiro-ministro de transição da Guiné-Bissau, Rui de Barros, falou hoje sobre o caso do embarque forçado dos 74 sírios num avião da TAP, a 10 de Dezembro. Rui de Barros lamentou o incidente, assumindo que manchou a imagem da Guiné-Bissau. O chefe do Governo de transição garantiu que o executivo "trabalhará para restabelecer a confiança entre parceiros e garantir a segurança dos voos internacionais". Mais pormenores com o nosso correspondente, Mussá Baldé.

Correspondência da Guiné-Bissau

As ligações directas entre Lisboa e Bissau foram interrompidas pela TAP, após o embarque de 74 sírios com passaportes ilegais. Na altura, Rui Machete classificou o incidente como "um acto próximo do terrorismo".
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI