Acesso ao principal conteúdo
ANGOLA

Angola acolheu governantes de São Tomé e Príncipe e de Cabo Verde

Luanda
Luanda Wikipedia
Texto por: RFI
6 min

O primeiro-ministro são-tomense, Gabriel Costa, e a ministra cabo-verdiana das finanças, Cristina Duarte, deixaram hoje Luanda após uma visita a Luanda assente no fomento dos investimentos angolanos nos dois arquipélagos lusófonos.

Publicidade

O primeiro-ministro são-tomense foi recebido na noite transacta pelo presidente angolano, José Eduardo dos Santos. 

O arquipélago equatorial pretende reforçar a cooperação com Luanda em áreas como o turismo, prestação de serviços, construção de um porto de águas profundas, entre outros.

Já a ministra cabo-verdiana das finanças, Cristina Duarte, rubricou logo na segunda-feira um protocolo de financiamento de dez milhões de dólares para infraestruturas em Cabo Verde, contemplando nomeadamente seis aeroportos.

A governante insular avistou-se nesta terça-feira com José Filomeno dos Santos, presidente do conselho de administração do Fundo soberano de Angola, filho do chefe de Estado angolano.

Cristina Duarte manifestou interesse de Cabo Verde em receber investimentos daquela instituição.

Avelino Miguel, correspondente em Luanda, fez-nos o rescaldo das deslocações a Angola destes dois dirigentes dos arquipélagos afro-lusófonos.

Correspondência de Luanda

Mas esta quarta-feira em Angola ficou marcada também pela visita do chefe de Estado a vários empreendimento. 

José Eduardo dos Santos inaugurou uma aldeia piloto de energia solar, na província de Luanda, financiada pela Sonangol, empresa petrolífera nacional, visando a melhoria de condições de vida dos camponeses da área.

O presidente angolano visitou ainda as obras do futuro Aeroporto internacional de Luanda que pretende ser uma plataforma regional de referência na África central e austral.

A obra poderá começar a funcionar parcialmente em 2016 e está a cargo da construtora "China International Found Limited" desde finais de 2004. Um recinto que poderá movimentar 13 milhões de passageiros por ano e escoar 35 mil toneladas.

Alves da Rocha, economista angolano, em entrevista a Lígia Anjos, assume-se prudente quanto às ambições de Luanda de fazerem do novo aeroporto uma referência para o continente. 

E isto já que, neste momento, Angola estaria muito aquém do desempenho de outros países.

Alves da Rocha, economista angolano

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.