Acesso ao principal conteúdo
Cabo Verde

Carlos Veiga ex-primeiro ministro caboverdiano processa deputados do PAICV

Tribunal da Comarca da Praia
Tribunal da Comarca da Praia Liliana Henriques / RFI
Texto por: João Matos
5 min

O antigo Primeiro-ministro caboverdiano, Carlos Veiga, anunciou esta sexta-feira, que vai processar dois deputados do PAICV, no poder, no seguimento de rixas e acusações de roubo, protagonizadas no Parlamento.

Publicidade

A Assembleia Nacional de Cabo Verde, ficou marcada esta semana, por fortes acusações e rixas, de parte a parte, dos dois principais partidos, o PAICV, no poder, e o MPD, na oposição, durante um debate em torno do relatório da Comissão de Inquérito sobre Obras Públicas, da responsabilidade da formação política que sustenta o governo.

 

O Parlamento recusou debater outro relatório, que tinha sido feito pelo MPD e que denuncia corrupção no sector das Obras Públicas, do governo do PAICV,  no poder desde 2001.

 

Foi, pois, neste clima de muita crispação, com os deputados do MPD, a acusarem o Presidente do Parlamento, Basílio Mosso Ramos, de parcialidade, a favor do seu Partido, PAICV, recusando a palavra ao deputado, José Filomeno Carvalho, que ocorreram ainda acusações do deputado do PAICV, Carlos Sanches, segundo as quais, Carlos Veiga, tinha desviado dos cofres do estado, 2 milhões de dólares, quando era Primeiro-ministro, nos anos 90, em Cabo Verde. Uma alusão à privatização da ENACOL, empresa pública de combustíveis, comprada pela SONANGOL, por 11 milhões de dólares, dos quais apenas 9 milhões, deram entrada nos cofres do estado caboverdiano.

 

O então Ministro da Coordenação económca, Gualberto do Rosário, que negociou essa privatização com os angolanos, alegou, que esses 2 milhões, nunca existiram, não passando, pois, de um erro contabilístico, na medida em que o valor exacto do negócio, tinha sido de 9 milhões de dólares. O PAICV, na altura na oposição, nunca acreditou nessa versão, mas a verdade também, é que Angola, nunca deu razão ao PAICV, e tão pouco, desmentiu o governo do MPD, do então Primeiro-ministro, Carlos Veiga.   

 

É neste contexto, que se enquadra o incidente desta semana no Parlamento caboverdiano, com o  agora deputado do MPD, Carlos Veiga, a dirigir-se de dedo em riste, durante o intervalo da sessão parlamentar, a dois deputados do PAICV, Carlos Sanches e José Maria Veiga, pedindo-lhes para suspenderem as suas imunidades parlamentares, e provarem no tribunal, as acusações, que no seu entender, não passam de "insultos".

 

Seguiu-se, uma troca azeda de palavras, com o deputado José Maria Veiga, a aproximar-se do deputado, Carlos Veiga, para replicar, mas impedido por outros deputados. 

 

Logo a seguir, Carlos Veiga, anunciou em conferência de imprensa, que apresentava queixa-crime no tribunal, contra esses dois deputados, alegando tentativa de agressão, contra a sua pessoa, no hemiciclo do Parlamento.

 

Do seu lado, o PAICV, recusou essas acusações, sublinhando que Carlos Veiga, estava a fingir uma agressão à sua pessoa, mas que na verdade, tudo não passava de "práticas de arruaça", por parte do MPD, segundo o líder da bancada parlamentar, desse partido no poder, Felisberto Vieira.

 

De Cabo Verde, o nosso correspondente, Odair Santos.

 

Odair Santos, correspondente em Cabo Verde

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.