Angola

Angola assinala dia da Paz e Reconciliação Nacional

Embaixador angolano em França, Miguel Costa, nas comemoração do dia da Paz em Paris.
Embaixador angolano em França, Miguel Costa, nas comemoração do dia da Paz em Paris. RFI

Há 12 anos era assinado o acordo de Paz entre as Forças Armadas de Angola e a facção armada do partido Unita, já sem o seu líder Jonas Savimbi. As comemorações alusivas ao 4 de Abril, dia consagrado à Paz e Reconciliação Nacional, são celebradas sob o lema "Pela paz e unidade nacional, consolidemos a democracia".

Publicidade

Em Luanda as comemorações do dia da Paz e Reconciliação Nacional tiveram início na segunda-feira passada e terminam no próximo dia 10 de Abril sob o lema “Pela paz e unidade nacional, consolidemos a democracia”.

Uma efeméride que recorda o acordo de paz assinado em 2002 entre os dois maiores partidos políticos de Angola, Movimento Popular Libertação Angola (MPLA) e a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), relata o nosso correspondente em Luanda, Avelino Miguel.

Correspondência de Luanda, Avelino Miguel

Em Paris, a efeméride foi também assinalada numa conferência que decorreu na delegação da Fundação Calouste Gulbenkian e contou com a participação do académico angolano António Luvualu de Carvalho e do Coronel angolano José Catumbela sob moderação da historiadora angolana Conceição Gomes.

O embaixador angolano em França, Miguel Costa, na abertura da conferência explicou que os "habitantes das províncias outrora destruídas, apresentam hoje uma configuração totalmente diferente. As infraestruturas, entre outros, os caminhos de ferro, os portos, os aeroportos, estão em pleno funcionamento. Cerca de 7 milhões de crianças foram enquadradas nos sistemas escolares, quando em 2002 este número não ultrapassava 1,4 milhões de alunos". 

Embaixador angolano em Paris, Miguel Costa

Várias actividades têm lugar nestes dias com vista a incutir aos angolanos, os ideais de paz, da fraternidade, da solidariedade, da justiça social escreve, em comunicado, o Governo da República de Angola.

Em Luanda, um grupo de activistas esteve hoje reunido numa palestra em torno da temática "Paz, seus benefícios e tentaivas adiadas". O activista angolano do Movimento Revolucionário da Central Angola, Banza Hamza, em entrevista a Isabel Pinto Machado, explica que "durante estes anos perdemos confiança".

Activista angolano, Banza Hamza

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI