Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Renamo oficializa candidatura de Dlakama a Presidente da República

Logo da Renamo
Logo da Renamo
Texto por: Neidy Ribeiro
5 min

A Renamo oficializou nesta sexta-feira a candidatura de Anfonso Dlhakama a Presidente da República de Moçambique. A chefe da bancada parlamentar da principal força de oposição no país, Angelina Enoque, confirmou à RFI que os documentos, à excepção do registo criminal, foram entregues no Conselho Constitucional.

Publicidade

A falta do registo criminal de Afonso Dlhakama não impediu que a Renamo formaliza-se hoje a candidatura do líder do partido a Presidente da República junto do Conselho Constitucional. Em entrevista à RFI, Angelina Enoque, chefe da bancada parlamentar da Renamo, disse que foram entregues esta manhã os documentos à excepção registo criminal: " entregamos quase todos os documentos legais necessários com excepção, como é obvio, do registo criminal .. a candidatura foi aceite, está depositada, se não ter-nos-iam devolvido o expediente".

A oficialização da candidatura do líder da Renamo, principal força de oposição no país, acontece numa altura em que Afonso Dlhakama continua em parte incerta, algures na serra da Gorongoza, zona actualmente cercada pelas forças de segurança moçambicana. Ontem Anfonso Dlhakama, em teleconferência, pediu à comunidade internacional que providencie as condições de segurança necessárias para que possa realizar a campanha eleitoral para as eleições gerais de 15 de Outubro. Angelina Enoque acredita que desde que as condições de segurança estejam reunidas, a qualquer momento, o presidente da Renamo pode sair da mata. " Nós queremos acreditar que sim. Se a comunidade e os nacionais querem de facto a paz eu acho que é o mínimo que se pode fazer".

A somar-se à instabilidade política que se vive no país, junta-se agora a prisão do porta-voz da Renamo, na segunda-feira, durante o Conselho de Estado. António Muchanga a quem foi retirada a imunidade parlamentar enfrenta agora as acusações de incitação à violência, uma detenção que que muitos consideram inconstitucional. A chefe da bancada parlamentar da Renamo disse que Muchanga já se encontrou com a advogada, Alice Mabote, mas não sabe qual será o futuro do porta-voz do partido: " já conseguiu reunir-se com a advogada, já formalizaram a prisão e ele já recolheu para a cadeia de máxima de Machava... tudo pode acontecer".

O paradeiro incerto de Afonso Dlhakama, a detenção de António Muchanga e o impasse no diálogo entre o governo e a Renamo levam alguns analistas moçambicanos a afirmar que as partes já ponderam um adiamento da data das eleições, mas não querem para já falar do assunto. Questionada sobre este cenário a dirigente da Renamo reconhece que actualmente não há condições para as eleições, mas acredita na vontade política e diz que a hipótese de adiamento não foi ainda colocada.  " Os moçabicanos já demonstraram que é possível fazer, nós temos vontade .. a menos que alguém que queira travar,  e esse alguém só pode ser o governo... não sei nós não colocámos a hipótese de adiamento". 

 

Angelina Enoque, chefe da bancada parlamentar da Renamo

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.