Cabo Verde

Cabo Verde com presidência da CPLP dentro de 2 anos

Logótipo da CPLP, Comunidade lusófona.
Logótipo da CPLP, Comunidade lusófona. DR

Cabo Verde pode receber a presidência da CPLP, dentro de dois anos, defendeu na capital timorense, Dili, o Primeiro-ministro português, Passos Coelho, no final da cimeira da Comunidade lusófona.

Publicidade

Esta décima cimeira da CPLP ficou marcada pela entrada da Guiné Equatorial, como país membro, na Organização Lusófona. A admissão da Guiné Equatorial, provocou inúmeras reacções de contestação, como a Plataforma Portuguesa das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento, que anunciou a suspensão das funções de observadora consultiva da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

 

“A CPLP não é um clube de negócios, em que os interesses estritamente económicos de uma elite se sobrepõem aos direitos humanos e à dignidade de muitos”, considerou o seu Presidente, Pedro Krupenski, sublinhando o facto de a Guiné Equatorial, não respeitar os direitos humanos.

 

Os Chefes de Estado e de Governo da CPLP, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, que estiveram reunidos esta quarta e quinta feiras, em Dili, não escolheram, oficialmente, o país membro que vai realizar a próxima cimeira, mas para já, Timor-Leste, assumiu a presidência da Organização Lusófona.

 

 O Primeiro-ministro de Portugal, Passos Coelho, defendeu durante a conferência de imprensa que fechou o evento, a ideia de que Cabo Verde, pode receber a próxima presidência, dentro de dois anos, e organizar assim a próxima cimeira.

 

Ainda não há reacção oficial por parte das autoridades caboverdianas, mas o antigo Director-executivo, do IILP, Instituto Internacional da Língua Portuguesa que é uma Instituição da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa , Brito-Semedo, considera ser uma boa iniciativa e aproveita para nos fazer o balanço do XI Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas, que decorreu de 21 a 25 de Julho de 2014 no Mindelo.

 

Brito-Semedo Prof. Universidade Cabo Verde

Ainda sobre Cabo Verde, e numa altura em que várias companhias aéreas pedem novas regras em zonas de conflito, tendo em mente, o desastre do avião abatido na Ucrânia, ou a queda do avião da Air Argélia, esta sexta-feira, 25, no povoado de Bulikesi, Mali, vejamos como vai a questão da segurança nos Aeroportos caboverdianos, com Carlos Silva, Controlador aéreo, no aeroporto internacional do Sal, que começa por reagir ao acidente do avião argelino.

 

Carlos Silva Controlador Aéreo

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI