Acesso ao principal conteúdo
SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

São Tomé e Príncipe: estabilidade política precisa-se

Mercado central de São Tomé
Mercado central de São Tomé Miguel Martins/RFI
Texto por: RFI
4 min

Novos partidos políticos como o PEPS (Partido da estabilidade e progresso social) ou a Plataforma nacional são uma novidade desta campanha que agora encerrou.Tudo parece estar muito em aberto, um dos centários possíveis é o de uma nova maioria relativa da ADI.Um cenário que, a confirmar-se nas urnas, poderia marcar o regresso da instabilidade política, mal endémico no arquipélago onde as legislaturas nunca foram concluídas.  

Publicidade

A crispação entre o chefe de Estado, figura eminente do MLSPT-PSD, e Patrice Trovoada, líder da ADI, havia marcado uma díficil coabitação entre o presidente e o chefe do governo.

Olívio Diogo, sociólogo e analista político são-tomense, alega ser possível que os eleitores dêem nova maioria relativa à ADI, o jogo das alianças entrará, então, de novo na berlinda.

O papel do PEPS ou da Plataforma nacional, o primeiro fundado pelo ex priimeiro-ministro, Rafael Branco, saído das fileiras do MLSTP-PSD, o segundo pela diáspora angolana caso venham a eleger algum deputado pode vir a ser crucial.

 

Análise de Olívio Diogo em São Tomé e Príncipe

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.