Angola

Angola regista caso de suspeita de Ébola

Angola regista caso de suspeita de Ébola
Angola regista caso de suspeita de Ébola Reuters

Angola registou o primeiro caso de suspeita do vírus Ébola. Trata-se de uma freira de nacionalidade angolana que terá apresentado sintomas e está agora internada no Hospital Militar de Luanda para observação.

Publicidade

A missionária que vive há sete anos em  Paris terá passado por Brazzaville, Kinshasa e Cabinda antes de chegar a Luanda, e segundo Maria Lina Antunes, responsável da Comissão Nacional de prevenção e controlo do Ébola, suspeita-se que possa ter contraído o vírus numa travessia de barco em Brazzaville. " Durante a viagem de barco a missionária terá tido contacto com uma doente com febre, que foi localizada na fronteira pelas entidades sanitárias de Kinshasa e afastada do barco como sendo doente febril".

Ainda de acordo com Maria Lina Antunes, a missionária regressou a Angola e três dias depois começou a sentir-se doente, com febres e náuseas e, recorreu ao Hospital Militar.  "Imediatamente os profissionais reconheceram um caso febril, que teve um trajecto por países que têm também um surto de Ébola ... esteve lá uma equipa de vigilância epidemiológica, a equipa de vigilância clínica, e nós achamos por precaução, porque preenche alguns critérios que são chamados definição de caso, isolar a doente e começar o tratamento".

Maria Lina Antunes, responsável da Comissão Nacional de prevenção e controlo do Ébola

Uma situação que está a ser acompanhada pelo embaixador da UE em Angola, Gordon Kaiker, que afirmou estar em contacto directo com o executivo angolano. O responsável político reconheceu as medidas que as autoridades puseram em marcha para fazer face à epidemia, mas ressalvou que no caso de se vir a confirmar o vírus Ébola em Angola o país pode contar com o apoio da União Europeia, como é o caso dos outros países da África Ocidental (Guiné Conacri, Serra Leoa e Libéria).

"O governo angolano tomou muito sério este risco e tomou todas as medidas necessárias para prevenir uma epidemia... mas caso for necessário, a União Europeia e os estados membros, com certeza estariam dispostos a cooperar com Angola, como faz agora com os países que já estão afectados...Nós temos por exemplo aqui na região um escritório, em Harare, da agência especializada em casos de emergência que podem reagir de uma maneira muito rápida".

Gordon Kaiker, embaixador da Uniao Europeia em Angola

Segundo o último balanço da Organização Mundial da Saúde -OMS- A febre hemorrágica Ébola, muito contagiosa, causou desde o início do ano até 27 de Outubro pelo menos 4.922 mortos em 13.703 casos registados, na sua quase totalidade em três países: Libéria, Serra Leoa e Guiné-Conacri.

 

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI