ANGOLA / BURKINA FASO

Rafael Marques aconselha Presidente angolano a olhar para o Burkina Faso

Rafael Marques
Rafael Marques Maka Angola.org

 O jornalista angolano Rafael Marques diz que José Eduardo dos Santos deveria começar a preparar a sua retirada, “de forma airosa”, para que não lhe aconteça o mesmo que ao presidente do Burkina Faso.

Publicidade

Há 27 anos à frente dos destinos do Burkina Faso, Blaise Compaoré era um dos presidentes africanos com mais tempo na cadeira no poder. Porém, o pódio é ocupado por Teodoro Obiang Nguema, Presidente da Guiné Equatorial há 35 anos, seguido por José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola há também 35 anos.

O activista Rafael Marques disse à RFI que o chefe de Estado angolano deveria começar a preparar a sua retirada, “de forma airosa”, para que não lhe aconteça o mesmo que ao presidente do Burkina Faso. Blaise Compaoré foi obrigado a abandonar o poder a 31 de Outubro após uma série de motins e megaprotestos nas ruas.

“É um risco que os ditadores correm quando estão demasiado tempo no poder e não criam mecanismos para que se reformem de forma pacífica e possam continuar no país. No caso de Angola, temos claramente um presidente que trabalha para a sua família e os seus sócios, mas sobretudo em detrimento dos interesses da nação e da maioria dos angolanos. É nesse sentido que é importante aconselhar o presidente da República a encontrar um mecanismo de transição que lhe permita deixar o poder, a seu tempo, de forma airosa”, declarou Rafael Marques ao microfone de Neidy Ribeiro.

Rafael Marques - Parte I

Por outro lado, o jornalista de 43 anos, autor do livro “Diamantes de Sangue: Tortura e Corrupção em Angola” denuncia “a manutenção do regime que é benéfico para os negócios internacionais”.

“No caso de Angola, por causa do petróleo, todo o apoio internacional é para a manutenção do regime que é benéfico para os negócios internacionais - muitos deles envolvidos em esquemas de corrupção que dariam muitos processos nos países de origem às multinacionais que operam em Angola”, declarou.

Rafael Marques - Parte II

A RFI tentou obter uma reacção do Governo angolano à destituição de Blaise Compaoré, mas não obteve resposta.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI