Burkina Faso

Burkina Faso: o roteiro para a transição

Burkina Faso: o roteiro para a transição
Burkina Faso: o roteiro para a transição ISSOUF SANOGO / AFP

Os representantes do exército do Burkina Faso abandonaram a sala de negociações, na capital, sobre o futuro da transição civil no país alegando questões de agenda. Neste sábado organizações da sociedade civil, partidos de oposição autoridades religiosas retomaram os trabalhos com vista a delinear o roteiro para o período de transição no país. 

Publicidade

" Contingências operacionais não nos permitiram arranjar tempo" declarou aos jornalistas o coronel Auguste Denise Barry à saída da sala, acrescentando ainda que veio apenas "encorajar" os trabalhos. O coronel Barry é o braço direito do tenente-coronel Isaac Zida, o actual homem forte do Burkina, designado pelos militares no passado dia 1 de Novembro para conduzir o país após a queda do chefe de Estado Blaise Compaoré.

Neste sábado, uma centena de representantes da oposição, sociedade civil, chefes tradicionais e religiosos retomaram os trabalhos depois da saída dos militares, constataram os jornalistas da agência AFP.

Em cima da mesa está o "roteiro para a transição" que visa definir o enquadramento dos futuros poderes civis, Governo e Parlamento, que irão gerir o país durante um ano de transição, até às eleições presidenciais e legislativas previstas para Novembro de 2015.

 

" Os trabalhos actuais vão ser sintetizados com outros trabalhos que estão a ser feitos por outras pessoas e com isso vamos chegar a um documento consensual que vai ser elaborado nos próximos dias", declarou o coronel Barry.

"Este documento deverá ser apresentado aos mediadores da troika - ONU- União Africana- e CEDEAO- terça ou quarta-feira", conclui o coronel Barry.

Com a  colaboração da agência AFP

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI