Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Conselho Constitucional de Moçambique validou os resultados das eleições gerais

Filipe Nyusi, novo presidente eleito de Moçambique.
Filipe Nyusi, novo presidente eleito de Moçambique. DR
Texto por: RFI
13 min

O Conselho Constitucional validou esta terça-feira os resultados das eleições gerais de 15 de Outubro apurados pela Comissão Nacional de Eleições, confirmando deste modo a vitória de Filipe Nyusi, candidato presidencial da Frelimo no poder, com 57% dos votos, seguido por Afonso Dhlakama, líder da Renamo, com 36,6% dos sufrágios e Daviz Simango, do MDM, com 6,04% dos votos.

Publicidade

Para além de confirmar a vitória de Filipe Nyusi nas presidenciais, o Conselho Constitucional validou igualmente a vitória da Frelimo nas eleições provinciais bem como nas legislativas em que a Frelimo alcançou 55, 68% dos votos, a Renamo 32,95% dos sufrágios e o MDM 8,4% dos votos.

Apesar de se manter no poder por mais 5 anos, um poder que nunca deixou de estar nas suas mãos desde a independência do país em 1975, a Frelimo perdeu contudo 53 deputados em relação à legislatura ainda corrente, a Renamo alcançou 38 mandatos suplementares e o MDM obteve mais 9 assentos parlamentares.

A validação dos resultados eleitorais pelo Conselho Constitucional não deixou de criar reacções nomeadamente a nível da lusofonia, o secretário executivo da CPLP, o moçambicano Murade Murargy, tendo saudado o novo presidente eleito de Moçambique. A nível interno igualmente foram numerosos os comentários designadamente por parte do partido vencedor cujo dirigente, o Presidente cessante Armando Guebuza, considerou que a vitória "foi arrancada", porque a oposição terá desejado impedir a "sobrevivência" do partido no poder, a oposição, tendo por seu turno manifestado o seu descontentamento.
Mais pormenores com Orfeu Lisboa.

Orfeu Lisboa, correspondente da RFI em Moçambique

Ao dar conta das conclusões do conselho Constitucional e ao confirmar a vitória eleitoral da Frelimo, o presidente deste órgão, Hermenegildo Gamito, não deixou contudo de tecer duras críticas à Comissão Nacional de Eleições e considerou mesmo os processos eleitorais no país despidos de qualquer justeza e transparência.

Hermenegildo Gamito, Presidente do Conselho Constitucional de Moçambique em declaraçõres recolhidas por Orfeu Lisboa

Saído vitorioso das presidenciais, o candidato da Frelimo, aos 55 anos Filipe Nyusi prepara-se para durante os próximos 5 anos estar a substituír no cargo Armando Guebuza, também da Frelimo, que termina no início do próximo ano o segundo e último mandato presidencial permitido pela Constituição moçambicana. Em comício hoje perante os seus apoiantes na sede da Frelimo em Maputo, Filipe Nyusi prometeu dar prioridade à inclusão e transparência e exortou os moçambicanos a respeitar a lei.

Filipe Nyusi, novo Presidente eleito de Moçambique, em declarações recolhidas por Orfeu Lisboa

Sem surpresas, a Renamo que nas últimas semanas tem rejeitado os resultados eleitorais alegando fraudes massivas, reiterou a sua exigência de instalar um governo de gestão. Discursando hoje no seu feudo em Sofala no centro do país, Afonso Dhlakama, líder da Renamo, criticou a actuação do Conselho constitucional e ameaçou formar o seu próprio governo.

Afonso Dhlakama, líder da Renamo, em declarações cedidas por Orfeu Lisboa

 Também Daviz Simango, presidente do Movimento Democrático de Moçambique - MDM - terceira força política do país, rejeita os resultados apresentados, afirmando que  "estas eleições foram as mais fraudulentas que a memória nos reserva" e acusou os orgãos eleitorais de "arrogância, falta de diálogo e de tolerância".

Daviz Simango, presidente do MDM, com a colaboração de Orfeu Lisboa

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.