Acesso ao principal conteúdo
Egipto/México

Doze pessoas morreram no Egipto por engano

Imagem de Arquivo.
Imagem de Arquivo. REUTERS/Amr Abdallah Dalsh
Texto por: RFI
3 min

No Egipto, a polícia e o exército mataram 12 pessoas por engano, pensando que eram jihadistas. De referir que mais dez pessoas, mexicanas e egípcias, também ficaram feridas durante o ataque.

Publicidade

Doze turistas mexicanos e os guias egípcios morreram por erro da polícia e do exército que pensou tratar-se de jihadistas.

A comitiva de turistas estava no deserto no Oeste do país a bordo de veículos todo-o-terreno. A polícia e as forças armadas pensavam estar próximos de deter terroristas do Estado Islâmico.

O anúncio deste erro foi feito pelo ministério egípcio do Interior em comunicado. Aliás o documento acrescenta que 10 pessoas, mexicanas e egípcias, também ficaram feridas.

O comunicado não indica como morreram as pessoas mas explica que os turistas estavam numa zona proibida para os civis. Ultimamente, o turismo no deserto ocidental egípcio tem medidas de segurança drásticas e é necessária uma autorização da polícia, do exército e dos serviços de inteligência para o visitar.

De notar que tanto as forças policiais como as forças armadas estavam à procura de veículos todo-o-terreno com jihadistas a bordo, suspeitos de terem atacado o exército durante a tarde de domingo no mesmo local.

Ouça a crónica sobre o erro policial que custou a vida a 12 pessoas.

Crónica de Marco Martins

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.