Acesso ao principal conteúdo
QUÉNIA

Quénia votou entre boicotes e violência

Confrontos entre adeptos de Raila Odinga e a polícia em Kibera, em Nairobi, à margem das eleições a 26 de Outobro.
Confrontos entre adeptos de Raila Odinga e a polícia em Kibera, em Nairobi, à margem das eleições a 26 de Outobro. REUTERS/Goran Tomasevic
Texto por: RFI
6 min

Pelo menos três pessoas morreram hoje no Quénia, dia de repetição das eleições preisidenciais, com muitos menos eleitores a votar, tanto mais que Raila Odinga da oposição apelava ao boicote.

Publicidade

Raila Odinga, o principal opositor queniano, apelou directamente ao boicote da votação.

"Não participem de forma alguma nesta eleição vergonhosa .

Convençam os amigos, vizinhos e todos os demais a não participar.

Em vez disso aconselhamos os quenianos que acarinham a democracia e a justiça a rezarem por isso longe das assembleias de voto ou simplesmente fiquem em casa."

Por sua vez o presidente cessante Uhuru Kenyatta apelou ao respeito da decisão dos eleitores em votar ou mesmo se abster.

"Os que querem votar devem poder fazê-lo. Os que não querem votar, pois tal é também um direito democrático.

Mas nenhum direito se sobrepõe ao outro.

E apelo aos quenianos para que todos possam exercer o seu direito.

O Quénia está a provar que a nossa democracia é madura."

O dia foi violento, com muitas assembleias de voto no Quénia a se manterem encerradas num escrutínio que se deve traduzir num novo mandato para Kenyatta.

O Quénia repetia hoje as eleições de 8 de Agosto, invalidadas pela justiça, e que tinham dado a vitória ao presidente cessante Uhuru Kenyatta.

O seu rival Raila Odinga apelara ao boicote, com registo de uma afluência de eleitores inferior às primeiras eleições, embora ele nunca tivesse formalizado devidamente a sua desistência deste escrutínio.

O escrutínio foi entretanto adiado para sábado em quatro condados (num total nacional de 47) da parte ocidental do Quénia devido à violência.

As eleições de Agosto tinham recebido o aval de missões de observação eleitoral, até serem invalidadas de forma inédita em África pela justiça por irregularidades.

Odinga condicionara a sua participação a uma nova comissão de eleições tendo recusado participar nas eleições de hoje apelando a que estas tivessem lugar dentro de 90 dias.

Com 72 anos o eterno opositor queniano via nestas eleições a sua derradeira oportunidade para chegar à chefia suprema do país.

Laura Vasconcellos, residente portuguesa em Nairobi ligada a uma organização de defesa de direitos humanos, comentou o desenrolar da votação admitindo o impacto negativo da tensão eleitoral a nível económico para o Quénia.

Laura Vasconcellos, portuguesa residente em Nairobi

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.