Acesso ao principal conteúdo
Escravidão / Colóquio

Antilhas francesas organizam 1° colóquio sobre a história da escravidão

Maquete do Memorial Acte, o memorial sobre a escravidão que será construído na ilha de Guadalupe, Antilhas francesas.
Maquete do Memorial Acte, o memorial sobre a escravidão que será construído na ilha de Guadalupe, Antilhas francesas. Divulgação
2 min

Enquanto no Brasil celebra-se nesta terça-feira, 20 de novembro, o Dia Nacional do Zumbi e da Consciência Negra, na ilha de Guadalupe, território francês no Caribe, realiza-se também hoje o 1° colóquio Internacional sobre a escravidão.

Publicidade

Maria Emilia Alencar, enviada especial a Pointe à Pitre

Trata-se de uma mera coincidência, que denota, no entanto, a necessidade cada vez maior de se resgatar a memória da escravidão em todos os lugares das Américas, para onde foram deportados milhões de africanos, vítimas do tráfico negreiro entre os séculos 16 e 19.

Durante dois dias, nessa ilha das Antilhas franceses, historiadores, antropólogos , sociólogos - vindos do mundo inteiro - vão abordar, em 21 conferências, a história da escravidão sob diversos ângulos e o impacto desse episódio sombrio da história da humanidade na sociedade contemporânea.

Guadalupe, que tem cerca de 400 mil habitantes, em sua maioria descendentes dos escravos que trabalhavam nas plantações de cana de açúcar, vem desenvolvendo desde 2004 um projeto de conscientização sobre a história da escravidão.

O colóquio marca o lançamento oficial de um projeto bem ambicioso, que é a construção nesta ilha caribenha do Memorial Acte, o primeiro museu dedicado à escravidão. E por coincidência, isso ocorre em 20 de novembro, dia em que Zumbi dos Palmares foi assassinado por lutar contra a escravidão dos negros do Brasil.

Memorial Acte

O museu, que deverá ocupar um espaço de 4350 m² em Pointe à Pitre, capital da ilha de Guadelulpe será construído num antigo engenho de acúcar em frente ao mar. O grande objetivo do projeto é ser um espaço de memória do tráfico negreiro e da escravidão. Mas também um “museu vivo”, voltado para a pesquisa histórica e cuja cenografia sensorial, relembrando a deportação de milhões de africanos para o continente americano , servirá de instrumento pedagógico internacional de referência sobre a escravidão. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.