Acesso ao principal conteúdo
EUA/Obama

Obama vai apoiar proposta de senadora para proibir armas de assalto

Obama chora durante o discurso após o massacre em Newtown
Obama chora durante o discurso após o massacre em Newtown REUTERS/Yuri Gripas
Texto por: RFI
3 min

O presidente americano Barack Obama anunciou que vai apoiar a proposta da senadora Dianne Feinstein, que visa banir a transferência, a fabricação e a importação de uma centena de modelos de armas de assalto, indicou a Casa Branca nesta terça-feira. O projeto deverá ser apresentado no dia 3 de janeiro ao Congresso americano, depois do recesso parlamentar.

Publicidade

A proposição da senadora foi feita durante uma entrevista ao canal NBC, no domingo, dois dias depois do massacre na escola de Sandy Hook, em Newtown, que deixou 27 mortos, entre eles, 20 crianças. O enterro das vítimas começou nesta segunda-feira. "Precisamos agir, como país, para lutar contra essa onda de violência envolvendo armas de fogo", reconheceu Jay Carney, porta-voz da presidência americana.

Obama tem se recusado até agora a falar sobre um endurecimento da legislação do porte de armas, protegido pela Constituição nos Estados Unidos. Mas Jim Carney afirmou que o presidente americano deverá se pronunciar sobre o assunto nas próximas semanas. O texto da senadora, que inclui uma lista de fuzis, pistolas semi-automáticas e carregadores de mais de 10 balas, será apresentado no dia 3 de janeiro, depois do recesso parlamentar.

O atirador responsável pelo massacre, Adam Lanza, 20 utilizou um fuzil de assalto para executar suas víttimas. Sua mãe, Nancy, que também foi assassinada, era colecionadora de armas e possuía um arsenal em casa. O jovem costumava frequentar o clube de tiro com a mãe.  Ele também utilizou a arma para arrombar a porta da escola, que estava trancada.

Dezenas de famílias de vítimas dos massacres de Virginia Tech, Aurora e Columbine se reuniram nesta terça-feira em frente ao Congresso americano pedindo o fim do 'banho de sangue' que toma conta do país, resultado da falta de controle. A associação Brady Campaign to Prevent Gun Violence, que organizou a passeata, também apresentou à imprensa uma carta aberta à Casa Branca e ao Congresso pedindo uma ação rápida das autoridades.

Familiares manifestam em frente ao Congresso

"A lei sobre o controle de armas deve mudar imediatamente'', disse Dan Gross, presidente da associação. "Não tudo, mas uma grande parte da violência gerada pelas armas, poderia ser evitada se o Congresso tomasse medidas simples para evitar que pessoas perigosas tivessem acesso a essas armas", disse. Ele salientou que não é contrário à emenda constitucional que autoriza o porte de armas. Na carta, os familiares também pedem à população que assine uma petição disponível na Internet pedindo mudanças.

O massacre de Virginia Tech, o pior da história americana, deixou 32 mortos em 2007. Outras 12 pessoas morreram em um cinema em Aurora, no Colorado, em julho de 2012, e outras 12 numa escola em Columbine, em 1999.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.